Remela nos olhos do cachorro: o que pode ser e como tratar?

É bastante comum que, após uma longa noite de sono, você encontre remela nos olhos do cachorro. A sujeirinha é bastante conhecida por todos, mas em alguns casos acontece uma secreção bastante semelhante a ela, que pode passar despercebida e trazer algumas complicações à saúde do pet. Por isso é importante saber o que pode ser e como tratar.

De acordo com o médico veterinário Jerônimo Ribeiro, os cães podem remelar por diversos fatores. Portanto, caso sempre exista essa secreção, um especialista em saúde canina deve ser consultado. Isso porque, esse sinal pode indicar situações simples ou problemas mais complexos.

Ainda segundo o profissional da Clínica Veterinária Dr. Jerônimo Ribeiro, o que vai definir a gravidade do problema é a presença ou não de outros sintomas no cãozinho. Assim, se você deseja entender melhor o porquê da remela, como limpá-la ou tratá-la, continue lendo esse artigo.

Remela nos cães: o que pode ser?

Como os animais não possuem o hábito de limpar o rosto, assim como os humanos, é comum que a sujidade nos olhos se acumulem. Diante disso, surgem as famosas remelas.

Para o veterinário Jerônimo Ribeiro, esse sinal é até normal em alguns casos. “Mas dependendo da quantidade tem que ser visto por um veterinário, para dar assistência e saber o que está acontecendo.”

Veterinário examinando o olho do cão

Só é normal limpar o olho do cão uma vez por dia (Foto: depositphotos)

Por isso, é importante estar atento aos demais sinais apresentados pelo pet. Assim, é mais fácil descobrir o que está causando o aumento de secreção ocular e buscar ajuda médica quando se fizer necessário.

Segundo o oftalmologista Arthur de Andrade, a remela é considerada normal quando o tutor só precisa limpar os olhos do cão uma vez por dia. “Se o seu animal apresentar uma grande quantidade de secreção, que precise limpar várias vezes ao dia, cuidado”, alerta o profissional da OftalmoVet.

Sendo assim, é preciso estar atento a outros sinais, como: Irritação nos olhos, vermelhidão, dor nos olhos, dificuldades para abrir os olhos e até mesmo perda da visão.

Veja também: Infecções nos olhos dos cães: o que pode ser e como tratar?

Remela no olho do cachorro pode ser verme?

“Os cães remelam por diversos fatores, um deles que pode acontecer realmente é a presença de verminoses”, relata Jerônimo Ribeiro. Portanto, o aumento da secreção ocular pode se caracterizar como verminose. 

Cachorro com remela e fraqueza

Ainda segundo o profissional, a deficiência nutricional do cachorro e a diminuição de hidratação também podem provocar o aumento da concentração de remela. Contudo, remela e fraqueza podem ser sinais de uma doença viral chamada cinomose, muito perigosa para os cães.

“Nesse caso da cinomose deve ser feito um diagnóstico e tratamento da doença, para o posterior tratamento disso [a secreção dos olhos]. Isso é um dos achados clínicos, não quer dizer que todo cachorro que esteja remelando tenha cinomose”, lembra o veterinário Jerônimo Ribeiro.

Cachorro com olho remelando, vermelho e coçando

Os veterinários lembram que se a remela vier acompanhada de vermelhidão e coceira, o cão pode estar apresentando um quadro de ceratoconjuntivite seca. Também chamada de olho seco.

Esse problema em cães é mais comum do que as pessoas pensam. Segundo Jerônimo Ribeiro, alguns animais apresentam esse problema com mais frequência, como shih tzu e pug. Isso porque os olhos dessa raça são muito proeminentes.

“O olho seco é normalmente chamado de conjuntivite bacteriana pelo clínico geral por apresentar hiperemia da conjuntiva bulbar e secreção purulenta. No entanto, não necessariamente a secreção apresentada está relacionada a infecção e sim a falta ou desequilíbrio dos componentes da lágrima.” É o que informa o também oftalmologista da Oftalmovet, Galúber Tasso.

Veja também: Como agir em caso de vermelhidão nos olhos do meu dog?

Raças propensas

Além de apresentarem com mais frequência o olho seco, raças como shih tzu e pug estão entre as que mais remelam. Isso porque, elas possuem os olhos mais expostos. “As vezes a pálpebra não consegue lubrificar tão bem, fazendo com que haja um acúmulo maior [de remela]”, explica Jerônimo.

Outras raças também entram nessa lista. Sendo que, a maioria delas são os considerados cães braquicefálicos. Isso significa dizer que são animais que possuem um focinho achatado, como:

  • Boxer
  • Buldogue inglês
  • Buldogue francês
  • Boston terrier
  • Pequinês

Apesar de existir raça propensa, qualquer cão está sujeito a apresentar esses problemas oculares. Já no caso dos cães com pelagem clara, o extravasamento no canto do olho acaba grudando e causando manchas no pelo do animal. Essas marcas são conhecidas como “manchas de lágrima”.

Entre as raças mais afetadas estão o poodle, maltês, lhasa apso e o bichon frise. Portanto, os tutores precisam ficar atentos, uma que essas manchas podem causar infecções e inflamações na pele.

Como limpar a remela de cachorro?

Algumas pessoas tentam tirar a remela dos cães depois que ela já está seca. Essa prática não é recomendável, pois pode acabar machucando o animal.

“Alguns cães reclamam muito porque isso causa um pouco de dor, porque está puxando o pelo de uma região sensível que é ao redor dos olhos. Então tenha um pouco de cuidado com relação a isso para não ter problema”, recomenda Jerônimo.

Para o profissional, o ideal mesmo é usar soro e gaze. Passando de leve na região ocular do pet, para que assim possa amolecer a sujidade e removê-la sem causar desconforto ao cãozinho.

Mulher limpando o olho do cão

Para limpar o olho do cão é necessário gaze e soro (Foto: depositphotos)

Essa limpeza deve ser feita, preferencialmente, na parte da manhã. Mantendo o animal limpinho desde cedo. Mas, além dessa técnica, a auxiliar de veterinária da OftalmoVet, Camila Malvestio, dá outra dica.

Outra maneira é pingar algumas gotinhas do soro ou água filtrada diretamente nos olhos, desta forma é possível tirar toda a remela da parte de dentro dos olhos, e, logo após, umedecer os pelos ao redor dos olhos para retirar as ‘casquinhas’ que ficam grudadas.”

Após a higienização dos olhos do cão, é interessante oferecer algum petisco animal. Uma forma de recompensá-lo pelo bom comportamento enquanto houve a limpeza.

Veja também: Especialista orienta: Fique de olho nos olhinhos do seu cãozinho

Formas de evitar que o cão tenha remela em excesso

O senso comum entre os veterinários é que a remela em poucas quantidades é considerada normal. Ou seja, é natural que o cão acorde com olhos sujos com esse tipo de secreção.

Contudo, a partir do momento em que o tutor precisa limpar mais de uma vez por dia, é necessário atenção veterinária para o caso. Isso porque, esse excesso de remela pode indicar um problema complexo.

De uma forma geral, o tutor que deseja cuidar da saúde e do bem-estar do cão, precisa atentar-se para alguns pontos. Isso significa dizer, que é preciso conversar com o veterinário sobre as necessidades do animal.

Entre os possíveis cuidados básicos que todo cachorro precisa, o veterinário Jerônimo Ribeiro listou alguns. “Ração de qualidade, higienização de banho e tosa, e evitar produtos que possam causar irritação nos olhos [durante a limpeza da casa].”

Além disso, o tutor precisa estar atento às vacinações necessárias, evitando viroses como a cinomose. Por fim, todo cachorro precisa de remédios de vermes e contra os ectoparasitas, a exemplo do carrapato e da pulga.

Todo cuidado é pouco, principalmente tratando-se de cães ainda filhotes. Isso porque, nessa fase da vida os cachorros ainda estão desenvolvendo o sistema imunológico. Sendo assim, faz-se necessário o contato constante com os veterinários, principalmente se surgir sinais além da remela nos olhos.

Lembre-se sempre que é essencial buscar ajuda com um profissional veterinário, pois quanto antes o tratamento for iniciado, mais chances o animal terá de curar-se.

*Artigo feito com a colaboração do médico veterinário Jerônimo Ribeiro (CRMV/PE-3923), especializado em Clínica, Cirurgia e Oncologia veterinária, e diretor da Clínica Dr. Jerônimo Ribeiro.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.