Cortar o pelo do cachorro ajuda a diminuir o calor?

Será que tosar o cachorro diminui o calor? Ou, será que tosar cachorro faz mal? Descubra o que dizem os veterinários

Um dúvida muito comum dos tutores é: cortar o pelo do cachorro ajuda a diminuir o calor? Essa questão está muito presente nos lares com cães, pois quando o verão chega muitos donos sentem uma necessidade de tosar o cachorro. Com isso, eles acreditam que o bichinho vai sofrer menos com as temperaturas altas.

Mas, será que tosar o cachorro diminui o calor? Ou, será que tosar cachorro faz mal? De acordo com veterinários, a resposta para essas perguntas é “depende”. Para responder com exatidão cada uma dessas dúvidas, é preciso levar em consideração algumas características dos cachorros. Isso porque, cada cão tem suas especificidades físicas.

Cortar o pelo do cachorro no verão diminui o calor

De acordo com os veterinários, a tosa pode ajudar o cão a se refrescar, mas não é a principal medida de prevenção durante as épocas mais quentes. Além disso, cortar o pelo do cachorro no verão deve ser feito levando em consideração as características físicas do pet. Isso significa dizer que o tipo de pelagem influencia na tosa ou não do cão.

Antes de mais nada, é preciso esclarecer que os cães não transpiram como os humanos. Para o veterinário e especialista em endocrinologia, Alexandre Bastos Baptista, existem alguns meios pelos quais o cachorro perde calor. E um deles é através da condução.

Cortar o pelo do cachorro ajuda a diminuir o calor no verão e nas épocas de temperaturas mais elevadas

A tosa pode ajudar a refrescar o cão se for feita no ventre do pet (Foto: depositphotos)

“A perda [de calor] por condução ocorre quando o corpo está em contato direto com uma superfície mais fria. É justamente para proporcionar esta perda que o cão busca deitar em chãos frios, ou os colchões feitos para o resfriamento”, explica o veterinário no seu site.

Desta maneira, a tosa pode ajudar a refrescar o cão se for feita no ventre do pet. Mas, além da condução, o cão pode perder calor através da convecção. Nessa forma, o calor é dissipado com o auxílio do ar em movimento, como no caso dos ventiladores.Também através da ajuda da convecção os cães podem driblar o calor das épocas mais quentes.

Veja também: Cuidados que devemos ter com a tosa de cães no verão

Pelos protegem o cachorro do calor?

De acordo com a clínica VetQuality, o pelo do cão é um isolante térmico natural. Isso significa dizer que trata-se de um elemento protetor para o cachorro. Como existem vários tipos de pelo, devido a variedade de raças, cada animal deve ser tratado de forma específica.

Mas de uma forma geral, os cães possuem uma temperatura térmica de 38 ºC a 39,2 ºC. Quando o pelo age como isolante térmico quer dizer que a pelagem auxilia na capacidade do corpo de manter a temperatura normal com o mínimo gasto de energia.

Tosar cachorro faz mal?

Diante de tudo isso, pode ficar o questionamento se a tosa faz mal ao cachorro. Dependendo do tipo de cão e da pelagem que ele possui, essa técnica pode prejudicar o cãozinho. Contudo, para outros bichinhos, cortar o pelo é essencial.

Todo cachorro pode ser tosado?

Por exemplo, cães de pelo curto não devem passar pela tosa. Já os cães de pelo médio podem precisar apenas de uma tosa higiênica, quando só se corta os pelos da região anal, abdômen e patas.

Veja também: A tosa higiênica é importante? Descubra

Por fim, os cães de pelo mais longo ou que facilmente embaraça, como poodle, shih tzu etc, precisam realizar uma tosa a cada 45 dias, normalmente.

Cuidados com o cachorro para diminuir o calor

Além de cortar o pelo do cachorro para ajuda a diminuir o calor, ofereça mais água e ambientes ventilados

Os cães possuem uma temperatura térmica de 38 ºC a 39,2 ºC (Foto: depositphotos)

Já ficou claro que a tosa sozinha não tem a capacidade de fazer com que o cão se sinta mais fresco nas épocas mais quentes, como a primavera e o verão. Desta forma, é preciso que o tutor tome outras precauções para fazer a passagem dessas estações um pouco mais tranquila para o pet. 

Todos esses cuidados são importantes para o cachorro, mas são ainda mais necessários diante de um animal que está sofrendo com essas épocas mais quentes. Para perceber se o animal está bem, o tutor pode ficar atento a alguns sinais.

“O corpo dos cães faz troca de calor apenas por meio das regiões das almofadas das patas, do focinho e da boca. Por isso, quando muito expostos às altas temperaturas acabam ficando ofegantes e cansados”, explica Ricardo Cabral, veterinário da Virbac.

Veja também: Tosar ou não tosar? Minha raça pode ser tosada?

Assim, batimentos cardíacos acelerados, língua para fora, respiração ofegante e afobamento são sintomas que precisam da atenção do tutor. Para evitá-los e garantir um conforto do pet em épocas de extremo calor, é importante seguir algumas orientações, como:

Banhos periódicos

Os banhos dos cães devem ser periódicos. De uma maneira geral, eles devem ser a cada 15 dias. Mas, dependendo de onde o animal passa mais tempo, esse espaço de tempo entre um banho e outro pode ser diminuído para oito dias.

Para os cães que gostam de água, é legal oferecer a oportunidade do mesmo brincar em meio a lugares molhados. Piscinas ou brincadeiras com mangueiras são algumas opções viáveis. Contudo, sempre lembrando de evitar água no ouvido (que pode levar à otite).

Além de secar bem o cão após o banho ou a brincadeira, caso contrário o animal pode sofrer com a proliferação de fungos ou bactérias, causando problemas de pele.

Água fresca

Outro cuidado importante com o cão em épocas mais quentes é sempre deixar disponível água fresca. Em alguns casos, é interessante colocar pedras de gelo nos potes de água. Além de estimular os cães a beberem água, eles ainda podem desfrutar de um líquido mais refrescante.

Também é legal distribuir várias bacias de água pelo território que o animal vive. Assim, as chances do cão beber mais água e manter-se hidratado serão mais altas.

Ambientes ventilados ou climatizados

Vale ressaltar ainda que é imprescindível que o cão possa desfrutar de ambientes ventilados ou climatizados. Cães que vivem em ambientes abertos precisam pelo menos de um lugar com sombra, para se manterem frescos.

Cuidados com a alimentação

Um cuidado especial é a alimentação do cão. Segundo o veterinário Alexandre Bastos, os cães mais gordos tendem a sentir mais calor que os cães de biotipo normal. Por isso, além de evitar problemas de saúde como obesidade e diabetes, cuidar da alimentação também permite que os cães vivam melhor nas épocas mais quentes do ano.

Veja também: Cuidados no banho e tosa do cachorro

Passeios e brincadeiras

Além de tosar o cachorro para ajudar a diminuir o calor nas estações mais quentes e aplicar as demais medidas citadas anteriormente, outra forma de prevenir o cão contra as altas temperaturas é evitar certos horários de passeio.

O ideal é optar por passeios e brincadeiras ao ar livre antes das 10h e depois das 16h. Principalmente quando se tratar de cães braquicefálicos. Ou seja, cães que possuem o focinho curto.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.