Ração úmida: sachê e patê para cães fazem mal?

De acordo com as veterinárias, se for oferecer essa alimentação, o tutor precisa tomar alguns cuidados

Levando em consideração que existem diversos tipos de alimentos para os animais, muitos tutores questionam: qual tipo de refeição optar? Entre as alternativas mais viáveis estão a ração seca, a alimentação natural e a ração úmida, que pode ser em forma de sachê ou patê.

Neste último caso, as dúvidas aumentam ainda mais. Isto porque, os donos acreditam que as rações úmidas podem fazer mal aos cães. Mas, será que essa premissa é verdadeira?

Para acabar com as interrogações dos tutores, o Clube para Cachorros pediu ajuda às veterinárias Sara Lima e Glaucia Luna, que explicaram o funcionamento dos alimentos pastosos. Além disso, as profissionais comentaram quais as melhores alternativas e os cuidados que são necessários com a alimentação.

Afinal, ração úmida faz mal para os cães?

Não há problema em oferecer sachê ou patê para o cachorro

As rações pastosas possuem proteínas, sais minerais e aminoácidos (Foto: depositphotos)

De acordo com as veterinárias, não há problema em oferecer sachê ou patê para o cachorro. No entanto, o tutor precisa seguir alguns requisitos. Por exemplo, é necessário respeitar a quantidade fornecida por dia. Também é importante considerar as limitações desse tipo de refeição. Além de ter o cuidado com o que o consumo contínuo desse alimento pode provocar.

O primeiro passo é ficar atento a quantidade oferecida ao cachorro e ao balanceamento ideal para o animal. “Se ele é um cão muito ativo ou possui metabolismo rápido, ele deverá consumir mais do que animais menos ativos ou com metabolismo lento. Mas em toda ração que formos utilizar, devemos levar em consideração as informações do rótulo: proteína bruta, extrato etéreo”, explica Sara.

Veja também: Veterinária esclarece sobre o consumo de leite por cães

Além disso, é importante levar em consideração as especificidades do produto. “Os cuidados devem ser em relação a conservação após abertura, fornecimento e observação da embalagem na hora da compra”, cita Glaucia. Ainda segundo a veterinária, o cachorro deve consumir as rações úmidas logo que servidas.

Outra questão é com relação ao uso constante das rações úmidas, que pode fazer com que o cachorro deixe de lado a seca. E, por ser mais apetitoso, o animal pode acabar engordando com mais facilidade. Sendo assim, o tutor precisa respeitar as quantidades exatas.

Níveis nutricionais do sachê e patê

A alimentação do cachorro é um fator essencial para o crescimento físico desse animal. Portanto, é importante que ela seja equilibrada, saudável e atenda as necessidades nutricionais do pet. Segundo a médica Glaucia Luna, as rações pastosas possuem proteínas, sais minerais e aminoácidos.

“Em geral [as rações úmidas] possuem os mesmos componentes da ração seca, porém o nível de umidade e de corantes e conservantes é maior. Podem apresentar uma maior quantidade de proteína ou gordura do que as rações secas, mas isso não significa que é uma ração de melhor qualidade”, esclarece a veterinária Sara.

Veja tambémMeu cachorro não quer comer, o que fazer

Cuidados com as rações pastosas

Ler o rótulo dos produtos e conversar com um veterinário de confiança são algumas das dicas para oferecer uma alimentação adequada para o cachorro. “O patê comum deve ser um adjuvante, embora existam linhas terapêuticas que são utilizadas como alimento único em alguns casos específicos”, afirma Glaucia.

No entanto, até as opções adjuvantes precisam de um cuidado extra. Isto porque, segundo Sara Lima, alguns tutores podem querer misturar esses produtos com a ração seca ou com comida caseira. De uma forma ou de outra, é necessário atenção com o método utilizado nessa mistura.

Alimentação caseira

“Com outros tipos de alimentos pode haver problema. A maioria das pessoas que fornecem alimentos de consumo humano para os animais, tende a fornecer a mesma comida que come. O grande problema está aí. Grande parte dos temperos que usamos nos alimentos são tóxicos para os animais“, alerta Sara.

Para a veterinária, alguns animais podem apresentar sintomatologia logo cedo. Outros, porém, podem ter problemas de saúde mais tardios.

Ração seca x Ração úmida

“Outro grande problema é o acúmulo de tártaro e sujidades nos dentes do animal. As rações secas são melhores para evitar esse tipo de problema porque sua baixa umidade auxilia na remoção mecânica de sujidades”, explica a veterinária Sara Lima. Neste sentido, as rações pastosas podem contribuir para o acúmulo de tártaro, devido ao excesso de umidade.

Veja também: Mitos e verdades sobre a alimentação dos cães filhotes

No entanto, o tutor pode cuidar da saúde bucal dos cães ao escovar os dentes do animal após as refeições. Assim, o tártaro é eliminado e junto a ele a possibilidade de desenvolver problemas mais sérios como a doença periodontal.

Atenção, tutor!

“Ressalto que todo tutor deve levar seu animal ao veterinário periodicamente. O veterinário do seu animal poderá informar qual a melhor ração, uma vez que ele conhece as características de cada paciente e pode indicar a melhor forma de suprir as necessidades”, recomenda a veterinária Sara Lima.