Castração dos cachorros

A castração dos cachorros reflete em vários benefícios para a saúde desses animais, pois evitam o surgimento de doenças

Castração de cães é um tema que deixa muitos tutores com uma “pulga atrás da orelha”. São diversas as dúvidas sobre este procedimento cirúrgico envolvendo o antes, durante e o pós operatório. Mas, segundo os veterinários Arthur C. Ferreira, do canal no Youtube Dica do Veterinário, e Roberto Teixeira, do Cena Vet, castrar cães e cadelas só traz benefícios à saúde do animal.

Por isso, antes de saber como são realizadas estas cirurgias nos cachorros, é necessário entender todas as vantagens que existem para os animais após este procedimento. Além disso, é importante eliminar os mitos que envolvem esse tema, como a ideia de que há alguma desvantagem optar pela castração.

Benefícios da castração em cães

De acordo com o veterinário Arthur Ferreira, além de evitar a procriação, a castração ainda possui outros benefícios que envolvem uma saúde de maior qualidade para a vida dos cães. “A principal indicação real da castração, além do animal não procriar, é também a gente evitar uma série de outras doenças relacionadas a nível hormonal, que vão aparecer no sistema reprodutor dos animais, tanto dos machos quanto das fêmeas”, relaciona o médico em um vídeo publicado no seu canal.

A castração dos cachorros reflete em vários benefícios para a saúde desses animais, pois evitam o surgimento de doenças

A castração animal evita uma série de outras doenças relacionadas a nível hormonal (Foto: depositphotos)

Já segundo Roberto Teixeira, em material audiovisual divulgado no Cena Vet, no caso das fêmeas a castração é um procedimento preventivo, enquanto que para os machos trata-se de uma atitude mais curativa. Em outras palavras, a cadela se beneficia a longo prazo da cirurgia e os machos já apresentam melhorias logo após o processo cirúrgico.

Estes benefícios, segundo os veterinários, ocorrem devido a diminuição de hormônio na corrente sanguínea do animal. Isto porque, alguns hormônios são responsáveis pelo desencadeamento de predisposição no surgimento de tumores e nódulos. Portanto, quando há a castração, há também uma menor incidência e circulação hormonal.

Castração de fêmeas

A castração da fêmea é preventiva. Então quando você castra, você previne duas coisas em especial: a piometria, que é a infecção de útero; e os tumores de mama”, diz Roberto Teixeira.

Segundo o veterinário Arthur, além desses problemas já citados por Roberto, as fêmeas castradas também evitam alterações ovarianas e de conduta folicular, bem como o surgimento de tumores no útero ou ovários.

Castração de machos

Assim como no caso das fêmeas, os machos que passam pela castração também evitam o surgimento de tumores nos testículos ou na região peniana. Outro doença que pode ser evitada por este procedimento cirúrgico é problema na próstata.

Levando em consideração os números de pacientes no seu consultório, o veterinário Arthur afirma que aproximadamente 90% dos animais idosos e não castrados tendem a apresentar hiperplasia prostática, uma alteração na próstata que tem como tratamento a castração.

O que é a castração e como ela é feita?

“A castração nada mais é do que a esterilização do nosso animal, ou seja, a gente impossibilita esse animal de procriar”, explica o veterinário Arthur. Além disso, o especialista conta como são realizados os procedimentos em ambos os sexos. “No caso dos machos a gente faz a remoção total dos testículos desse animal. Ou seja, ele não produz mais os espermatozoides e, consequentemente, ele não conseguirá dar sequência a sua prole”, esclarece.

Já com relação as fêmeas, o veterinário conta que é uma cirurgia mais invasiva, uma vez que se trata da remoção de órgãos internos. “A gente faz também a remoção do útero e dos dois ovários desse animal. Ou seja, a cadela não entra mais em cio”, completa.

Mitos e verdades sobre a castração

1. Castração engorda o cachorro

Mito: “Animais que moram em casa e se exercitam sozinhos ficam um pouco mais calmos e tendem a engordar porque eles se exercitam sozinhos. Se você passa a exercitar esse animal, mesmo que ele se exercite sozinho, ele não vai engordar. Se é uma raça que tem predisposição para engordar, você troca a ração por uma ração menos calórica, por uma ração light e previne que o animal venha a engordar”, explica Roberto Teixeira.

Portanto, o cachorro engordar ou não após a castração só vai depender do tutor. Se ele come a mesma quantidade de antes e passeia com a mesma frequência, não há possibilidade dele ganhar peso ou ficar obeso.

Castração de animais agora é lei no Brasil. Entenda

2. Castração deixa o cachorro manso e triste

Mito: O cachorro não vai ficar mais triste após o procedimento, mas a castração pode resolver alguns problemas de comportamento como xixi fora do lugar e até parte da agressividade, uma vez que os hormônios serão diminuídos. “Castração não é milagre. Você tem um cão agressivo, castrou ele, sai um anjo da cirurgia. Não, isso não existe. Mas ela ajuda”, reforça o veterinário do Cena Vet.

3. Preciso esperar o primeiro cio passar para castrar

Mito: Frases como essa ou “é mais saudável ter uma ninhada antes de castrar a cadela” são mitos criados pelo senso comum. Quanto mais cedo fizer a castração do animal, melhores condições de vida ele terá no futuro.

“Quando a gente castra a cadela antes do primeiro cio, que é quando tem o primeiro start hormonal de hormônio sexual, a gente reduz em até 85% a possibilidade de tumores de mama”, explica Roberto.

O veterinário ainda acrescenta que a partir do segundo ou terceiro cio essa porcentagem perde força, mas ainda pode ter efeito na prevenção de piometria.

4. O cão não pode mais cruzar após a castração

Mito: A única coisa que o cachorro não pode mais fazer após uma castração é procriar. Apesar do desejo sexual ser diminuído após o procedimento cirúrgico, o animal ainda pode sentir vontade de “namorar”, mas sem o risco de filhotes posteriormente.

Cuidados com a procriação

Os veterinários recomendam que tutores tenham cuidado com a procriação dos animais domésticos. “A gente precisa tomar cuidado com a população de cães errantes na cidade. Um casal, um macho e uma fêmea, que gere seis filhotes, três machos e três macho e três fêmeas, no final de 10 gerações, a gente vai ter quase 1 milhão de cães”, alerta o veterinário Roberto.

Ainda segundo o profissional, é necessário que os donos tenham responsabilidade com a cria dos cachorros. Saber a quem vai dar ou vender, se for o caso. E sempre buscar manter contato com essas pessoas, para saber como os animais estão.