Como saber se o meu cachorro lambe em excesso?

A lambedura dos cães pode está relacionado com um instinto adquirido, a criação desde filhote, a relação com os humanos ou problemas de saúde


Se você é apaixonado por cães já deve ter ouvido ou lido a expressão “lambeijo”. Ela nada mais é do que a junção da palavra “lambida” e “beijo”, uma forma de dizer que o ato de lamber desenvolvido pelos cães pode ser considerado verdadeiros beijos humanos.

E é basicamente isso que esta prática representa: uma demonstração de afeto do cão para com o tutor. Ou melhor, uma das explicações dadas a esta ação.

A verdade é que um cãozinho pode lamber por diversos motivos. Além disso, ele não passa a língua apenas em seres humanos, mas também em outros animais e até neles mesmos. À princípio esta pode ser uma atitude instintiva do peludo. Todavia, é preciso atenção do dono a fim de identificar quando esta prática passa de natural para um comportamento compulsivo.

Como saber se o meu cachorro lambe em excesso?

Foto: depositphotos

Instinto adquirido, criação desde filhote e relação com os humanos

Antes da domesticação, os descendentes dos cães que viviam em matilha costumavam lamber uns aos ouros como uma forma de indicar que aquele outro animal fazia parte do grupo. Também usavam esse método para indicar hierarquia ou como uma forma de convidar os integrantes da alcateia para o jantar.

Quando filhotes, os cães aprendem a utilizar as lambidas através do contato com a mãe e com os demais irmãos. Por exemplo, a cadela passa a língua nos cachorrinhos para que estes adquiriam o mesmo cheiro e ao se cheirarem, perceberem que fazem parte do mesmo grupo. Eles aprendem que ao lamber a mãe, ela lhe deixará mamar. Desta forma, a lambida passa a ter um significado a mais: o de recompensa.

Já com relação ao convívio com os seres humanos, os animais passam a interpretar as ações de outras formas. Por exemplo, o ato de mostrar os dentes para os cães era utilizado apenas quando estes demonstravam agressividade, ao conviver com os homens os pets aprenderam a “sorrir” e que isso não é considerado uma forma de ataque.

Do mesmo modo ocorreu com o ato de lamber. Antes significava ser parte da família ou uma forma de conseguir algo que desejava, mas com a ligação junto aos tutores passou a ser encarada como uma forma de demonstrar afeto.

Lamber: normal ou problema de saúde?

Para os cães, lamber é um ato que teve significações construídas ao longo do tempo. Mas, apesar de ser algo natural e instintivo, em algumas situações pode se tornar um problema de saúde na vida do peludo. Por esta razão, é preciso que o tutor fique atento ao comportamento do cachorro e assim consiga identificar o problema, para que junto ao médico veterinário possa resolvê-lo.

Portanto, lamber compulsivamente pode ser um problema grave de saúde canina e que pode está atrelado a diversas causas, como:

  • Distúrbios psicológicos: Cães podem sofrer com tédio, estresse, ansiedade e depressão. E assim, estes podem ser as causas para a lambedura em excesso. Se o tutor presenciar o cão se lambendo, principalmente as patas, sem motivo aparente, pode este ser um sinal de distúrbios. Investir em passeios, brincadeiras e interações com o cachorro podem ser saídas eficazes. Se o problema persistir, o veterinário deverá ser consultado;
  • Alergia ou incômodo: Os cachorros costumam lamber ferimentos ou até mesmo morder o próprio corpo quando sente alguma coceira. Ao presenciar algo do tipo, o dono precisa procurar uma clínica veterinária e entender os motivos desse comportamento. No caso da alergia, o animal pode ter adquirido de um shampoo ou da ração e só um especialista vai saber como proceder;
  • Pele seca: Esta condição pode provocar coceira no animal e por isso ele pode lamber e morder a região compulsivamente. A dica é procurar um médico, pois o problema pode surgir de coisas simples, como a temperatura fria, ou por falte de ácido gordo no organismo do pet;
  • Desequilíbrio hormonal: Tanto a baixa produção de hormônio tireoidiano, como o alto nível de cortisol podem provocar um desequilíbrio no organismo do animal. Assim, surgem sinais como manchas na pele que provocam coceiras. O cachorro, para se livrar deste problema, pode lamber e mastigar a região. A melhor saída é procurar ajuda veterinária;
  • Ação de parasitas: Pulgas e carrapatos podem incomodar durante a picada ou depois da ação. Estes ectoparasitas causam coceira e incomodam o cachorro. Lamber a região afetada pode trazer um alívio para pet, por isso eles adotam esta prática. Para sanar com esse problema existem produtos em petshops que eliminam estes parasitas e outros que podem até evitá-los.


Reportar erro