Já ouviu falar da doença erliquiose canina?

Uma das doenças transmitidas pelo carrapato é a erliquiose, também conhecida como ‘doença do carrapato’. Conheça os sintomas e tratamento da patologia


Você já ouviu falar em erliquiose canina? Talvez não se lembre desta denominação, mas já tenha escutado sobre a “doença do carrapato”. Além de picar e dar coceira, o carrapato do cachorro (rhipicephalus sanguineus) também transmite doenças.

Uma das doenças transmitidas pelo indesejado ectoparasita é a erliquiose, também popularmente conhecida como “doença do carrapato”. Trata-se de uma patologia instalada através de uma bactéria que é passada pelo carrapato e que é bem grave, podendo levar o seu bichinho de estimação ao óbito.

O que é a erliquiose canina?

Esta doença infecciosa severa é causada por bactérias do gênero ehrlichia, sendo que o papel principal fica a cargo da erlichia canis. Raramente atinge gatos ou seres humanos, sendo uma doença mais comum durante o verão, pois os carrapatos – o principal transmissor da patologia é um carrapato chamado rhipicephalos sanguineus – necessitam de calor e umidade para reprodução. Por ser uma doença transmitida pela picada de um carrapato, outras doenças também podem ser passado para o animal, como a babesia, hepatozoon e hemobartonella canis.

Esta doença é muito perigosa e, ao notar qualquer mudança, o tutor deve levar o seu cachorro ao médico veterinário imediatamente.

Já ouviu falar da doença erliquiose canina?

Foto: Pixabay

Sintomas da Erliquiose

Os sintomas da doença do carrapato são bastante variados, incluindo perda de apetite, inchaço nas patas, perda de pelos, mucosa pálida e até convulsões. Podem se dividir em três fases:

  • Fase aguda – No início da doença, quando o cachorro começa a apresentar os primeiros sintomas, que podem incluir febre, falta de apetite, manchas vermelhas na pele e vômitos. Ao notar algum desses sintomas, leve o seu animal de estimação ao veterinário para que o profissional possa examiná-lo e fazer os exames necessários.
  • Fase subaguda – Normalmente dura entre 6 e 10 semanas. O principal sinal são as mucosas descoradas e o hemograma costuma ser o exame mais solicitado.
  • Crônica – Fase mais avançada da patologia, em que o cão está com o sistema imunológico comprometido, muito magro e com expressiva queda de pelos.

Como é feito o tratamento?

As chances de cura são maiores quando a doença é diagnostica mais cedo. Felizmente, a cura pode ser alcançada em qualquer uma das fases e exige muita dedicação do tutor do bichinho de estimação.

No geral, o cão é tratado com antibióticos e com algumas injeções que são aplicadas na clínica veterinária. Nos casos mais graves, pode haver a necessidade de transfusão de sangue.

Vitaminas e uma alimentação especial também podem ser indicadas para auxiliar no processo de recuperação. O tratamento pode durar de 3 a 4 semanas nos casos agudos e até 8 semanas nas demais fases. O tempo do tratamento também depende do histórico de vida do cachorro e da fase em que foi realizado o diagnóstico da doença.

Como prevenir a Erliquiose?

Para evitar a doença, o controle de carrapatos é essencial. É importante manter a higiene do animal e do local em que ele se encontra e verificar diariamente se há algum carrapato nele (principalmente após os passeios). Você também pode utilizar coleiras carrapaticidas, talco, shampoo e outros produtos disponíveis no mercado pet.


Reportar erro