Saiba o que fazer para que o estresse não volte a atormentar o seu cão

Mesmo com o tratamento ou o carinho em doses reforçadas os bichinhos podem sofrer recaídas, voltando a ficar em situação de tristeza e retração


Se enganou quem pensou que o estresse era uma exclusividade dos humanos. Os cachorros, gatos e demais bichinhos de estimação também podem sofrer com a situação. Geralmente, o estresse surge nos animais por alguns fatores que podem ser provocados, na maioria das vezes, pelos próprios donos ou pessoas do convívio. Por isso, é bom prestar atenção para não trazer consequências mais graves para ele.

As situações mais comuns que podem acometer os bichinhos de estimação com estresse é o banho, o transporte feito de maneira inadequada, a mudança de lar ou até mesmo a doença ou morte do dono ou membro da família. Mesmo com o tratamento ou o carinho em doses reforçadas os bichinhos podem sofrer recaídas, voltando a ficar em situação de tristeza e retração.

Sintomas do estresse no cão

Os sintomas fisiológicos mais comuns apresentados pelos cachorros quando estão estressados são: diarreia, vômitos, perda de apetite, respiração ofegante e tremores. Já no sentido comportamental, eles podem ficar mais agressivos, de uma forma fora do comum, retraídos em um canto, apresentam latidos excessivos, comportamento destrutivo ou autolesão e inquietação.

Entenda o que fazer para que o estresse não volte a atormentar o seu cão

Foto: Depositphotos

Como tratar o estresse nos animais

Uma das primeiras providências que se deve tomar quando o seu cachorrinho é diagnosticado com estresse é dedicar-se a saúde dele. Passar mais tempo próximo ao pet, brincando, passeando, ou até mesmo parado dando carinho, é válido. Esses atos acabam criando, ou até reforçando o vínculo afetivo.

O passeio e a brincadeira são pontos primordiais que não podem ser esquecidos. Esses são momentos para o animal ficar livre, extravasando toda energia. No subconsciente deles a prática dessas atividades ajuda a fazer com que eles entendam que podem fazer o que gostam, sem se preocupar se vão estar agradando.

No caso de nenhuma dessas soluções ajudar o cachorro a voltar a seu estado normal, procure um veterinário. Pois, se não houver tratamento, seu animal pode sofrer com a perda de peso, desnutrição, desidratação e, em alguns casos, até morrer. Geralmente o veterinário fará uso de medicamentos para reverter a situação.

Reincidência

Vale ressaltar que o estresse não é uma “doença” que atinge os animais e sim, dependendo do estado, faz parte do seu comportamento normal. Mas, se os níveis de estresse transcender as medidas tomadas como normais, pode trazer complicações para a vida dos animais e donos. Por isso, preste muita atenção no comportamento do animal.

Em casos recorrentes do estresse, vale tomar as mesmas medidas de tratamento apresentadas anteriormente, passando carinho, atenção e brincando mais com o cachorro. Isso ajuda a firmar a relação cachorro x dono, já que os donos são as pessoas mais amadas pelos cachorros. Procure ficar mais atentos as necessidades que os animais apresentam. Lembre-se que eles também são seres que precisam de carinho e atenção.


Reportar erro