,

Estimule a inteligência do seu pet com essa brincadeiras

Atividades recreativas ensinam como os cães devem se comportar em determinadas situações, gastam a energia dos peludos e ainda melhoram o intelecto do pet

Assim como as crianças, os pets também aprendem brincando, por isso é importante estimular as brincadeiras com os cães enquanto eles ainda são filhotes.

Com algumas atividades recreativas os cachorros podem aprender como devem se comportar em determinadas situações, podem desfrutar de um tempo onde há gastos de energia e ainda têm a possibilidade de aprenderem novas palavras.

Além de tudo, as brincadeiras também são um momento ideal para reforçar a amizade entre os cães e os tutores, tendo em vista que ambos podem passar mais tempo juntos e interagindo entre eles. Toda esta interatividade fortalece a relação entre os cachorros e humanos, gerando mais vínculos de afetuosidade.

Brincadeiras e aprendizagem

Estimule a inteligência do seu pet com essa brincadeiras

Foto: depositphotos

Levando em consideração estes benefícios, a behaviorista Gwen Bailey, indica três brincadeiras que além de promover diversão para o cão, também ajuda no desenvolvimento do intelecto do mesmo. Estas dicas estão presentes no livro da autora chamado de “O Filhote Perfeito”, são elas:

1. Brincadeira ‘Cadê o …?’

O tutor deve incentivar o cachorro a achar um brinquedo ou qualquer outro objeto que esteja “perdido”. Esta brincadeira ajuda o animal a memorizar nomes e também estimula a mente do pet, fazendo com que o mesmo fique cansado e no ponto para descansar. Assim, para fazer esta atividade, é necessário segurar o cachorro pela coleira e depois jogar o objeto em algum lugar que ele possa ver. Por fim, o tutor solta a coleira e diz: “Cadê o …?”, citando o nome da peça escondida.

Quando o animal encontrar, o dono precisa fazer uma festa, elogiando o cachorro, fazendo carinho ou dando um petisco ao animal. Em seguida, repete-se a brincadeira. Aos poucos, o tutor pode ir aumentando o nível da brincadeira, ou seja, jogando a peça em um lugar longe da vista do pet e pedindo para ele procurar. É importante lembrar que sempre após o êxito do animal, ele merece ser presenteado e assim ser estimulado a fazer sempre o correto.

2. Chacoalhar e ‘matar’

Alguns cães já nascem com o instinto de destruir coisas que se mexem ou fazem barulho. Por esta razão, é preciso ensinar ao peludo quando isso pode ser feito e quando é possível ter este tipo de brincadeira. Ao contrário do que pode parecer, esta atividade não visa estimular a violência no cachorro, mas sim criar limites para ele.

Neste sentido, o tutor deve começar chocalhando um brinquedo perto do animal, para que ele se sinta encorajado a pegar o objeto com a boca. É importante deixá-lo morder um pouco. Em seguida, é preciso chamar a atenção do pet com um petisco, fazendo com que ele solte o brinquedo e coma. Ao poucos, o tutor deve introduzir a palavra “solta” antes de entregar o petisco ao animal, com o intuito dele associar o termo à comida. Esta técnica é ideal, pois cria um limite no cachorro que pode ser usado em outras situações.

3. Buscar o objeto

Esta brincadeira também exige um esforço mental do cachorro e por isso ele pode cansar mais rápido. Porém, isto não deve ser motivo para a desistência do tutor na tentativa de ensinar tal brincadeira ao peludo. À princípio, o dono deve lançar dois objetos e pedir que o cachorro vá buscar. É permitido deixar que o cão escolha qual ele vai trazer e assim que ele trouxer, é necessário trabalhar com esta peça.

Em seguida, os mesmos objetos precisam ser jogados e o tutor, desta vez, precisa falar o nome do objeto que o pet já tinha pego anteriormente. Todas as vezes que o dono pedir e o cachorro trouxer a peça correta, ele deve ser recebido com festa, por isso é bom preparar bons petiscos, elogios e carinhos como forma de recompensa.

Caso ele não traga o certo, é indicado não repreender, mas também não se deve elogiar. Basta apenas que o tutor pegue o objeto errado e peça que o cãozinho pegue novamente o correto. E assim o treinamento segue adiante até que o animal reconheça o objeto pelo nome.