,

Os cães sofrem com diabetes; saiba causas, sintomas e tratamentos

Os cachorros com esta doença apresenta desordens hormonais e exige cuidados especiais

Muitas das doenças apresentadas pelos seres humanos também acometem o organismo dos animais. Um exemplo disso é o diabetes mellitus, problema de saúde que afeta o sistema endócrino do corpo. Levando em consideração o último relatório divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2016, há mais de 16 milhões de brasileiros com diabetes. Além disso, 72 mil pessoas morrem em decorrência da doença por ano no Brasil.

Desta forma, é possível dizer que o cenário brasileiro com relação ao diabetes é bastante preocupante, mas não só para os seres humanos. No caso dos cachorros esta doença é uma das desordens hormonais mais comuns e exige cuidados especiais do dono, evitando assim complicações graves.

Dependendo da forma como o tutor cuida de um cachorro com diabetes mellitus, o animal pode conviver bem com a doença e aproveitar de uma vida normal e longa. Caso a doença não seja tratada com o devido cuidado, o pet pode acabar tendo que enfrentar infecções ou outros problemas de saúde. Além de correr o risco de morrer precocemente.

A diabete pode ser adquirida por possível predisposição genética

A obesidade é um fator que desencadeia a diabetes em cães (Foto: depositphotos)

Portanto, é necessário que o dono consiga perceber as mudanças ocasionadas no cotidiano do animal. “O diabetes, em qualquer espécie, vai iniciar com um quadro de excesso de sede e uma grande produção de urina. Esses dois sinais são indicativos de uma provável doença de fundo endócrino”, alerta o veterinário especializado em endocrinologia, Alex Bastos Baptista, em entrevista concedida ao canal no YouTube chamado Veterinário Marcelo Zulato.

Afinal, o que é o diabetes mellitus?

Como já mencionado anteriormente, a diabetes afeta o sistema endócrino do animal. De acordo com o site da Renal Vet, primeira clínica veterinária na América do Sul a oferecer a hemodiálise para caninos , felinos e equinos, a doença é caracterizada pelas altas concentrações de glicose no sangue e na urina do paciente.

“A variação média de idade para o aparecimento da diabetes em cães é de quatro a catorze anos, com a maior parte dos casos ocorrendo entre sete e nove anos de idade”, explica o artigo publicado no site da clínica especializada em nefrologia veterinária. Ainda segundo o portal, esta doença afeta os animais independente do sexo, mas as fêmeas têm duas chances a mais de apresentar o problema em comparação aos machos.

Outro aspecto da doença que merece ser mencionado é que, apesar de ser um problema de saúde que se desenvolve em qualquer cachorro, há uma suspeita médica de que haja uma predisposição genética em algumas raças. Keeshond,  cairn terrier,  pinscher miniatura e pulik, são as mais afetadas pela diabetes, entretanto outras também são atingidas com certa frequência, como schnauzers miniatura, Poodles, dachshunds (salsichinhas) e beagles.

O surgimento dessa doença em cães

Além da possível predisposição genética, existem outras causas para um animal desenvolver a diabetes mellitus. Segundo o artigo da Renal Vet, infecções, disfunções pancreáticas, medicamentos, a ocorrência de doenças simultâneas e até mesmo o cio da fêmea podem ter influência no surgimento da diabetes.

“É importante a gente ter claro também que a obesidade está relacionada diretamente com o aparecimento de diabetes”, alerta o veterinário Alex. Por esta razão, é necessário que os tutores tenham uma preocupação voltada para a alimentação do cachorro e para a prática de atividades físicas, como passeios, brincadeiras etc.

Dúvidas sobre a obesidade em cães? Especialista esclarece

Sintomas da diabetes nos cachorros

Mesmo que a obesidade seja um fator que desencadeia a diabetes, esta condição também pode ser um sinal clínico da doença. Em outras palavras, ela pode surgir tanto antes da doença e desencadeá-la, como pode ser uma consequência da diabetes. Além dela, existem outros possíveis sintomas, como:

  • Sede excessiva;
  • Perda de peso também ocorre em alguns casos;
  • Fome excessiva;
  • Grande volume de urina;
  • Sonolência;
  • Mau hálito;
  • Fraqueza;
  • Perda da visão;
  • Incontinência urinária.

Saúde animal: como tratar a diabetes?

Mesmo existindo dois tipos de diabetes em cães, como ocorre também no caso dos humanos, isto é, a dependente e a não-dependente de insulina, a primeira delas é a mais comum nos casos registrados. Desta forma, o tratamento é feito com base na aplicação de insulina no animal doente.

“O tratamento é diário, implica em duas injeções por dia a cada 12h. E, claro, uma alteração completa na dieta desses animais”, explica o endocrinologista. Isto porque, o cachorro vai precisar consumir uma ração apropriada e ter mudanças na rotina, como passeios diários evitando o sedentarismo.

Aliando atividades físicas, com a medicação correta receitada pelo veterinário e uma alimentação balanceada, o animal que apresenta diabetes mellitus pode aproveitar de uma vida saudável, longa e normal. Caso contrário, a doença pode acabar piorando o quadro clínico do cachorro e levando-o à morte precocemente.

Métodos preventivos

“Pode não ser possível prevenir a diabetes mellitus. Entretanto, a manutenção do peso ideal do cão e a introdução de exercícios regulares em sua rotina podem ser benéficas”, recomenda a Renal Vet. Mas, além desses cuidados, é ideal que o tutor preste atenção aos comportamentos do animal. Ao notar qualquer mudança estranha no pet, procure uma clínica o quanto antes.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.