O processo da troca de dentes nos cachorros

Assim como os humanos, os cães também passam pelo processo da troca de dentes. Porém, por ser um período ainda desconhecido pela maioria dos tutores, é um assunto que deixa muitas dúvidas.

De acordo com a médica veterinária, cirurgiã dentista e sócia do Centro Odontológico Veterinário (Odontovet), Michele Venturini, o cão começa a troca de dentes com três a cinco meses de idade.

“Esta troca pode durar até os 7 meses de idade mais ou menos”, explica a dentista de cães. Contudo, durante esse processo de quedas dos dentes há sintomas e eventos que todo e qualquer dono precisam ter conhecimento.

Com quantos meses o cachorro perde os dentes de leite?

O cão começa a troca de dentes com três a cinco meses de idade

Um filhote começa a desenvolver os dentes a partir das três ou quatro semanas de vida (Foto: depositphotos)

Os dentes do cachorro podem ser decíduos, os de leite, e permanentes. Segundo Michele Venturini, normalmente um filhote começa a desenvolver os dentes a partir das três ou quatro semanas de vida, Porém, esse período pode durar até os três meses.

“Os primeiros dentes a aparecer são os dentes incisivos, seguidos pelos dentes caninos e depois os dentes pre-molares. Os cães têm 28 dentes de leite. Alguns fatores como doenças, estado nutricional e raça podem alterar o tempo da erupção”, informa a médica.

Contudo, a partir do terceiro a quinto mês, os dentes de leite começam a cair. A partir disso, passam a nascer os permanentes. Ainda segundo Michele, a troca pode se dar até o sétimo mês de vida do cãozinho.

Veja também: Como a alimentação pode afetar os dentes dos cachorros

“Cães de raças pequenas tendem a ter a erupção mais tardia do que os cães de raças grandes”, alerta a especialista em odontologia canina.

Sintomas da troca de dentes no cão

Durante a troca de dentes o cachorro pode apresentar-se incomodado com a situação. Isso porque antes de cair, o dente de leite fica mole. E essa situação pode atrapalhar as refeições, por exemplo.

“Nesta fase, pode acontecer do cão começar a ter um ‘bafinho'”, cita Michele. Mesmo assim, a especialista recomenda não escovar os dentes nessa fase. Dessa forma, evita de machucar o cão e que ele associe a escovação a algo ruim.

“Mas o incômodo maior acontece quando ocorre a persistência dos dentes decíduos, que é quando o dente permanente erupciona e o dente de leite não cai, ficando dois dentes no ‘mesmo’ lugar”, relata a médica.

Nesse caso, o desconforto dos animais é tão intenso que eles passam a mudar o comportamento. Deixam de lado os brinquedos e podem demorar ainda mais para comer.

Veja tambémComo resolver problemas nos dentes do meu cachorro. Veja dicas

Problema no cão durante a troca de dentes

A dentição dupla é quando o dente permanente erupciona mas o dente de leite fica na boca

Os dentes decíduos acontece mais em cães de pequeno porte (Foto: Cortesia)

Dentição dupla em cães e outros problemas

Durante a fase da troca de dentes nos cães existe a possibilidade dos animais apresentarem um problema chamado de dentição dupla.

“A dentição dupla é quando acontece a persistência dos dentes de leite, ou seja, o dente permanente erupciona mas o dente de leite fica na boca”, explica a médica.

Esse tipo de problema ocorre, normalmente, em cães de pequeno porte. Yorkshire, maltês, poodle, pinscher são algumas das raças que mais apresentam a dentição dupla.

Além do desconforto e da interferência na mastigação, essa condição pode causar outros problemas nos cães. A dupla dentição facilita o acúmulo de placa bacteriana, aumentando as chances do animal ter a doença periodontal.

“Para evitarmos isso, o ideal é, assim que for percebido que o dente permanente está erupcionando e que o dente de leite está na boca, firme e forte, sem mostrar sinais que está ficando abalado (mole), fazer a extração do dente decíduo. E isso pode acontecer com 5 ou 6 meses de idade”, alerta Michele.

Veja também: Odontologia animal: Os cuidados que se deve ter com os dentes dos cães

Ainda segundo a médica, as vezes alguns tutores são orientados a esperarem um ano para fazer a extração. Isso é um erro, uma vez que quanto mais tempo demorar, mais o animal vai sofrer.

“Raças pequenas, como York, maltês, chihuahua, pinscher, poodle, é comum ter a agenesia (que é a não formação) de alguns dentes permanentes, principalmente pré-molares”, complementa.

Dúvidas sobres os dentes caninos

Durante a troca de dentes do cachorro não é indicado realizar a escovação

Os dentes de leite são mais finos, pontiagudos e brancos (Foto: depositphotos)

1) Quantos dentes o cão tem?

De acordo com a médica Michele, a quantidade de dentes nos cães depende do tipo de dentição. Normalmente, são 28 dentes decíduos e 42 permanentes.

2) Quais são as diferenças entre dentes decíduos e permanentes?

Os dentes de leite são mais finos, pontiagudos e brancos.

3) É importante escovar a boca dos cães durante a troca de dentes?

Não indicamos fazer escovação dos dentes com escova durante a fase de troca pois o cão pode sentir desconforto e começar a associar escovação com algo ruim”, recomenda a especialista.

Nesse sentido, é recomendado que o tutor acompanhe o crescimento dos dentes permanentes, evitando o desenvolvimento tortuoso.

Veja também: Cães precisam escovar os dentes. Descubra o porquê

4) Cães comem os próprios dentes quando caem?

A troca de dentes é perceptível, pois os donos podem encontrar os dentes pelo chão. “Pode acontecer do cão engolir o dente decíduo e o proprietário nem percebeu que o mesmo caiu”, informa.

Ainda segundo Michele, muito tutores acreditam que os dentes de leite não possuem raiz, o que é um erro. Na verdade a raiz dos decíduos é longa e fina “o que acontece é que ele só cai porque a raiz dele é reabsorvida durante o processo de troca.”

5) Como acostumar os cães a escovação?

“Nesta fase de troca, indico diariamente passar as mãos sobre o focinho do cão, passar os dedos dentro da boca, sobre a gengiva como que escovando.”

Com essa recomendação da veterinária, durante o processo de troca dos dentes, o cão vai se acostumando com o dono manuseando a boca. Além disso, é importante recompensar o animal, para que ele tenha um condicionamento positivo.

“Este condicionamento é importante para futuramente, quando terminar toda a troca dos dentes, ser mais fácil fazer a escovação dental”, finaliza Michele Venturini.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.