,

Entenda sobre a atrofia progressiva da retina em cães

A atrofia progressiva da retina é responsável por causar glaucoma, catarata e em casos mais graves a cegueira em cães

Entre as doenças oculares, é importante entender sobre a atrofia progressiva da retina em cães. Isso porque, trata-se de um dos principais problemas ópticos que atinge os pets.

Por essa razão, o Clube para Cachorros entrevistou o veterinário Thiago Ferreira. Especialista em oftalmologia canina da Graefe Von Vet, o médico conta o que é a atrofia, quais são os sintomas e as causas do problema.

Além disso, o veterinário oftalmologista explica como deve ser feito o diagnóstico da doença. Também fala sobre formas de retardá-la e os cuidados que os tutores devem ter com animais já sem visão.

O que é atrofia progressiva da retina em cães?

A atrofia progressiva da retina é o mesmo que atrofia generalizada da retina

A raça husky siberiano tem mais chance de desenvolver APR (Foto: depositphotos)

A atrofia progressiva da retina (APR) é o mesmo que atrofia generalizada da retina. De acordo com Thiago Ferreira, trata-se de uma doença degenerativa das células chamadas fotorreceptores.

De uma maneira geral, esse problema atinge os cones e os bastonetes. “A doença se inicia de maneira sorrateira uma vez que no início não demonstra lesões que possam ser perceptíveis pelo responsável pelo animal”, explica o veterinário.

Ainda segundo o oftalmologista de cães, todo o processo da doenças é causado por falhas genéticas no metabolismos dessas células. Em outras palavras, “essa falha genética está ligada a diversos genes (porção específica do DNA).”

Consequentemente, há a morte das células. “Grande parte das vezes inicia pelas células responsáveis pela visão noturna, os bastonetes, e com a evolução do quadro também afeta as células responsáveis pela visão diurna, os cones”, esclarece.

Veja também: Remela nos olhos do cachorro: o que pode ser e como tratar?

Sintomas da atrofia progressiva da retina

Como já mencionado anteriormente, os bastonetes são as células responsáveis pela visão noturna. E como essas células são as primeiras a serem atingidas, é comum que o primeiro sinal do problema seja a dificuldade do cão para enxergar no escuro.

“Outro sinal comumente visto é um brilho verde intenso no olho do paciente portador. Isso ocorre porque a pupila se mantém dilatada e expõe uma região do fundo do olho chamada zona tapetal, presente na maioria dos animais”, alerta Thiago Ferreira.

Contudo, o avanço da doença coloca em risco a visão geral do animal. Por isso que o oftalmologista, adverte os tutores a respeito das consequências da APR.

“Alguns animais nas fases mais tardias da doença desenvolvem catarata pelo fato de a retina degenerada liberar toxinas que causam catarata. Nesta fase da doença poucas opções nos restam para retardar a cegueira.”

Além da catarata e da cegueira, em casos mais raros a inflamação severa pode evoluir para glaucoma. 

“O brilho verde por vezes não é percebido, mas se acaso o responsável notar com frequência o brilho, sendo que nunca havia visto, é prudente levar o paciente até um veterinário oftalmologista”, recomenda Thiago Ferreira.

Veja também: Por que os cães saem com olhos verdes nas fotos?

Diagnóstico e tratamento desse problema

A atrofia progressiva da retina em cães é uma doença ocular causada por falhas genéticas

A atrofia progressiva da retina não tem cura (Foto: depositphotos)

Diante dos sinais constatados pelos tutores, a melhor alternativa é buscar um especialista. “O diagnóstico inicia-se com o exame clínico, onde por meio de um teste chamado reflexo fotopupilar cromático conseguimos avaliar se os fotorreceptores estão respondendo bem”, conta o médico.

Assim, o oftalmologista sabendo do histórico do paciente e com os resultados do exame pode ter um posicionamento.

“Sinais específicos na própria retina também são vistos ao exame clínico sob oftalmoscopia. Em algumas situações é possível que seja necessário um exame complementar chamado eletrorretinografia, que avalia por meio da atividade elétrica da retina se ela está ou não saudável.”

Ainda segundo Thiago Ferreira, para a atrofia progressiva da retina não há cura. Desse modo, a solução dos veterinários é usar de alguns tratamentos. Contudo, eles são um pouco controversos, mas podem ajudar a retardar o progresso da doença.

“Esses tratamentos se baseiam na atividade anti-oxidante de alguns compostos específicos. Pesquisas recentes têm utilizado vírus mutantes que ‘corrigem’ a falha genética desses animais, mas ainda são necessários mais estudos para podermos chamar de cura”, finaliza oftalmologista.

Veja também: Infecções nos olhos dos cães: o que pode ser e como tratar?

Raças propensas a doença

Mesmo que qualquer animal possa desenvolver a atrofia progressiva da retina, algumas raças têm mais predisposição. Segundo Thiago Ferreira, na rotina da clínica em Santa Catarina, as raças mais propensas são:

  • Cocker spaniel;
  • Poodle;
  • Pinscher;
  • Shih-tzu;
  • Setter irlandês;
  • Border colie;
  • Collie;
  • Labrador;
  • Yorkshire;
  • Schnauzer;
  • Whippet.

Além desses casos, o veterinário oftalmologista ressalta que a raça husky siberiano também tem mais chances de desenvolver APR. Nesse caso em específico, devido a presença do cromossomo X.

Cuidados com os cães cegos

Como já visto, a atrofia progressiva da retina pode causar cegueira nos cães. Nesses casos, é indicado que o tutor tenha alguns cuidados extras com esses animais.

Não mudar os móveis

Por isso que o médico veterinário da Graefe Von Vet, recomenda algumas iniciativas por parte dos donos. A principal delas é mudar o menos possível os objetos da casa de lugar.

Como os cães enxergavam antes, eles não vão ter muita dificuldade em aprender a se locomoverem dentro de casa. Mas existem outros métodos que podem ajudar.

Veja também: Como agir em caso de vermelhidão nos olhos do meu dog?

Uso de coleiras especiais

Coleiras para cães cegos que possuem um arco posicionado a frente da cabeça do animal também auxiliam na locomoção. Para algumas pessoas não agrada o fato de o animal bater com o arco em objetos, mas temos que lembrar que se ele não bater o arco, poderá bater com o focinho ou mesmo com o olho”, recomenda Thiago Ferreira.

Uso de adesivos com odores

Além dessas medidas, o veterinário recomenda o uso de adesivos com odores pela casa. Em alguns lugares esses itens são mais necessários, como em obstáculos ou degraus.

“O ideal é que seja o mesmo odor em todos os locais perigosos. Existes produtos de odor suave e por vezes fraco para seres humanos, mas bem perceptíveis para cães”, complementa o especialista.

Rotina de passeios

Por fim, o oftalmologista recomenda que os tutores realizem passeios com os cães. Inclusive, com eles usando a coleira com arco e guia.

“Temos que lembrar que a perda visual, mesmo que lenta, pode causar extrema tristeza ou ansiedade em alguns animais. O passeio pode aliviar e muito esse stress, mas claro, deve ser feito com muito critério”, finaliza o veterinário Thiago.

Assim, colocando em prática todas essas dicas, o tutor consegue oferecer mais qualidade de vida ao cachorro. E entendendo sobre a atrofia progressiva da retina em cães, pode ajudar a retardar esse problema.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.