,

Câncer em cachorro: Confira sintomas, como prevenir e formas de tratamento

O tratamento contra o câncer depende do estágio em que a doença se encontra. Veja mais sobre o assunto

O organismo dos cães é semelhante ao dos humanos, uma vez que podem sofrer com doenças que também afetam a saúde das pessoas. Um exemplo disso é o câncer em cachorro, problema genético causado por mutações nos genes responsáveis pela proliferação celular.

“No câncer, os genes que controlam a proliferação celular estão alterados, fazendo com que as células percam o controle da proliferação celular e cresçam de uma maneira desordenada”, explica o veterinário e oncologista Bruno Roque, em um vídeo publicado em seu canal no YouTube.

Qualquer animal pode desenvolver este problema de saúde, porém algumas raças são mais propensas que outras. E, por se tratar de uma doença que atinge diversas partes do corpo, os sintomas e as formas de tratamento são diferenciadas dependendo do caso. Mas, para evitar que os cães passem por esta situação delicada, o tutor precisa estar atento às prevenções.

Entre os principais sintomas do câncer em cachorro está a dificuldade ao se alimentar

O câncer aparece tanto em filhotes como em adultos (Foto: depositphotos)

Sintomas de câncer em cachorro

Este problema de saúde pode surgir em qualquer animal, independentemente da idade. Portanto, o câncer aparece tanto em filhotes como em adultos. Apesar disso, esta doença costuma afetar, em maior incidência, os cães idosos. Mas, em qualquer idade do cachorro é necessário que o dono preste atenção aos sinais clínicos que podem indicar algum tumor.

Entre os principais sintomas estão: dificuldade ao se alimentar ou para beber água, emagrecimento, cansaço em excesso. Dificuldades e outros problemas ao defecar ou urinar também são motivos de alerta. Além disso, são indícios de câncer sangramentos repentinos e sem motivo aparente, ferimentos cutâneos que demoram a cicatrizar mesmo durante o tratamento.

Veja tambémToque na mama: veja como descobrir o câncer de mama nas cadelas

Vale ressaltar ainda que estes sinais podem variar de acordo com o tipo de câncer que o animal apresenta. Por isso que é importante ficar atento ao comportamento do pet e levá-lo ao veterinário sempre que achar necessário.

Por que algumas raças são mais propensas a desenvolver câncer?

De acordo com um estudo divulgado pela revista Science, as mais de 400 raças de cães existentes no mundo apresentam o mesmo ancestral: o lobo. Mas, para criar tanta variedade de raças é necessário um longo e intenso processo de cruzamento em indivíduos que possuam um grau de parentesco. Esta técnica serve para assegurar características próprias da raça, como altura, porte e pelagem.

“É aí que mora o problema, a diminuição da variação genética encontrada em cães de raças puras, faz com que algumas delas se tornem mais predispostas a desenvolver algum tipo de câncer”, explica Bruno Roque, especialista em câncer de cachorro.

Ainda segundo o veterinário, algumas raças apresentam a tendência de desenvolver algum tipo de câncer. “Pastor alemão, por exemplo, carrega um gene que pode gerar câncer nos rins. Cães de raças grandes e gigantes, como rotweiller e são bernardo, são mais predispostos a desenvolverem câncer nos ossos”, alerta o médico.

Veja também: Câncer: tipos mais comuns e raças mais propensas a ter a doença

O oncologista explica que devido a uma falha genética, aproximadamente 10% dos berneses devem apresentar algum tipo de câncer após os seis anos de idade. “Cães da raça golden retriever são mais predispostos a desenvolverem hemangiossarcoma. E, aproximadamente, 40% dos cães da raça boxer irão manifestar algum tipo de câncer ao longo de sua vida devido a uma falha genética herdada”, diz Bruno.

Já com relação aos vira-latas, o veterinário explica que eles possuem chances menores de apresentarem câncer. Isto porque, há uma grande variação genética encontrada nos cães que não são de raça definida.

Tratamentos contra o câncer

O tratamento contra o câncer depende do estágio em que a doença se encontra. Na maioria das vezes, a quimioterapia é o método mais eficaz no combate as células cancerígenas. Apesar disso, trata-se de um tratamento um tanto que agressivo ao paciente.

Além da quimioterapia, o tratamento contra o câncer também pode ser cirúrgico ou medicamentoso. Contudo, apenas um médico veterinário está apto para decidir qual a melhor alternativa de combate à doença.

“Quando falamos de cura, falamos de cura clínica. Em outras palavras, período livre de doenças. Na medicina humana esse tempo é de cinco anos, na grande maioria dos tumores, já em cães e gatos esse tempo é um pouco menor, variando de um ano e meio a dois anos”, esclarece o oncologista em vídeo no canal no YouTube.

Veja tambémDescubra tudo sobre o câncer de útero em cadelas

Como prevenir câncer em cachorro?

De acordo com a veterinária Renata Piazera, em entrevista ao Correio Braziliense, existem algumas formas de reduzir o risco de desenvolvimento de câncer em cães. Seguindo as orientações da especialista, é possível cuidar da saúde do cachorro, oferendo ao pet  uma maior expectativa de vida com qualidade.

Castração precoce

Há um mito sobre a castração de fêmeas entre as pessoas, acreditando-se que a cirurgia só pode ser feita após o primeiro cio. A verdade é que a castração precoce é a melhor forma de garantir que a cadela não vá apresentar tumores de mama e útero. Por isso que é recomendada a castração antes mesmo do primeiro cio, evitando a descarga hormonal que ocorre nesse período.

Veja também: Por que cães de raça são tão suscetíveis a doenças?

Aplicação de protetor solar

Câncer de pele é um problema que também atinge os cães, principalmente os que possuem pelagem de cor clara. Por isso é recomendado o uso de protetor solar específico para cachorro. Além de evitar caminhadas e passeios em períodos de maior exposição solar.

Dieta controlada

É preciso estar atento as refeições dos cães, não só para evitar obesidade e problemas cardíacos, mas também a escassez de nutrientes que resulta no surgimento de tumores. Uma alimentação sem balanceamento pode ser pobre em antioxidantes, substâncias que previnem a oxidação das células.

Prática de exercícios físicos

Atividades físicas são excelentes para garantir a saúde do cachorro, pois amenizam os sintomas de estresse e ainda previne o surgimento de tumores em diversos órgãos do cachorro.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.