Blefarite em cães. Causas, sintomas e formas de tratamento

Anormalidades nas pálpebras podem causar atrito e, por isso, a incapacidade de fechar os olhos

Existem diversos problemas humanos que também interferem na saúde dos cachorros. Um exemplo disso é a blefarite, uma condição ocular que pode surgir tanto em pessoas como também nos cães.

Por ser pouco comum, a doença não é muito conhecida pelos tutores, por isso acaba passando despercebida ao apresentar os primeiros sintomas. Assim, quando o dono procura auxílio veterinário, o problema já está bastante avançado.

A blefarite está relacionada a diversas causas, por esta razão a forma de tratamento dela vai depender do agente causador. No entanto, os sintomas presentes neste problema são os mesmos em qualquer tipo da doença. Reconhecer os sinais logo no início facilitará a recuperação do cachorro e consequentemente vai melhorar a condição de vida do animal.

Causas e tipos da blefarite

(Foto: depositphotos)

Há, pelo menos, quatro tipos bem definidos da blefarite, são eles: congênito, bacteriano, neoplásico e alérgico. No primeiro caso, trata-se das características físicas dos animais desde o nascimento, que contribuem para o surgimento deste problema de saúde ocular, são alguns exemplos as anormalidades nas pálpebras que podem causar atrito nesta região, incapacidade de fechar os olhos completamente etc.

Veja também: Infecções nos olhos dos cães: o que pode ser e como tratar?

Blefarite ainda pode ser causada pela ação de bactérias do tipo Staphylococcus e Estreptococo, ou por agentes que se aglomeram em um tecido, como as adenomas sebáceas e adenocarcinomas.

Com relação ao tipo alérgico, este pode ser dividido em outras subcategorias. Isto porque a blefarite pode surgir devido a uma alergia alimentar, chamada de imediata; citotóxica, quando há uma reação a medicamentos; imunocomplexo, como no caso de animais que apresentam lúpus; ou quando o animal tem alergia a picada de insetos, sendo este subtipo chamado de mediada por células.

Além destes tipos, esta condição também pode ser provocada devido à infecções virais, lesões no olho, infecção parasitária ou até mesmo por consequência de outros problemas oculares.

Quais os sintomas deste problema?

  • Perda de pelo na região afetada;
  • Pele escamada;
  • Surgimento de uma elevação na pele, com ou sem pus;
  • Excesso de secreção purulenta nos cílios;
  • Escoriações na pele;
  • Coceira na área;
  • Visão turva;
  • Conjuntivite.

Veja também: Como agir em caso de vermelhidão nos olhos do meu dog?

Possíveis formas de tratamento

Através do detalhamento do tutor sobre o histórico de saúde do cachorro e pela observação de testes como o bioquímico e hemogramas, o médico veterinário poderá reconhecer qual a causa do problema e trabalhar para tratá-la. No geral, é recomendado que o animal passe a usar um colar elisabetano, para evitar que ele coce o olho e cause escoriações, piorando o problema.

Quando se tratar de problemas alérgicos, o tutor vai precisar retirar os alérgenos da vida do cachorro, seja ele comida, picada a insetos ou outras substâncias. Pomadas, antibióticos e anti-inflamatórios podem ser úteis para acabar com a doença. Porém, em casos mais graves, a cirurgia pode ser a única forma viável para recuperar a saúde do pet.