,

Coprofagia: o cão comendo cocô

Esse distúrbio pode ter duas causas principais: questões de saúde ou comportamentais do cão

Mesmo sendo pouco conhecida, a expressão coprofagia significa: o cão comendo cocô. Para os médicos, esse tipo de situação é comum na vida dos animais, principalmente dos cães.

De acordo com veterinários e especialistas em comportamento canino, esse problema pode ter duas causas: questões de saúde ou hábito do cão.

Levando em consideração todos esses pontos, o tutor precisa saber mais sobre esse problema. Quais são as causas da coprofagia? E as formas de tratamento? Como evitar que o cão coma cocô? Além disso, existem problemas consequentes da coprofagia?

Causas da coprofagia: ‘Por que meu cão está comendo cocô?’

Uma das causas da coprofagia é a presença de verminoses no organismo do pet

A liberação de nutrientes pelas fezes também é uma razão que motiva esse comportamento (Foto: depositphotos)

1. Alimentação do cão filhote

Em vídeo publicado no canal Dica do Veterinário, o especialista em saúde animal Arthur Ferreira dá algumas pistas do que pode ser as causas da coprofagia.

Em primeiro lugar, o veterinário explica que esse problema ocorre com frequência na fase inicial da vida do cãozinho. “O primeiro grande fator que acaba fazendo com que esse cão coma as fezes é o fato das alimentações dos filhotes serem muito palatáveis.”

De acordo com o médico, as rações dos filhotes possuem muitos nutrientes. Com isso, o cãozinho pode não conseguir absorver todos as proteínas nessa alimentação.

Consequentemente, as fezes continuam ricas dos nutrientes da ração. Desta forma, elas saem ainda palatáveis e os cães acabam comendo para não desperdiçarem aquele conteúdo.

Veja também: 5 erros que o dono comete ao ensinar o cachorro a fazer xixi e cocô no lugar certo

2. Vermes nos cães

Além da supernutrição, Arthur Ferreira aponta os vermes como outra possível causa da coprofagia. Isso porque, esses endoparasitas causam alterações internas no animal.

De forma semelhante ao caso anterior, os cães não conseguem absorver todos os nutrientes da ração. Desta vez, o motivo é a presença da verminose.

Mais uma vez as fezes saem palatáveis, com os nutrientes da ração. Ao sentirem necessidade, os cães procuram nos restos fecais as proteínas não digeridas.

3. Aspecto comportamental

“A terceira possibilidade que pode fazer com que esse animal acabe ingerindo essas fezes, é por característica comportamental”, explica o veterinário Arthur.

Por algum motivo, os cães podem desencadear o comportamento de comer as próprias fezes. Isso pode ser decorrente das reações do tutor com relação ao ato de fazer cocô do animal.

Por exemplo, o tutor pode reclamar muito com o cão por ter feito as necessidades no lugar errado. Outra razão seria o desconforto de ter que limpar as fezes do animal. Ambas as situações provocam um incômodo e o pet consegue perceber isso.

Já na tentativa de agradar o tutor, o cachorro pode “desaparecer” com o cocô. Para isso, ele pode comer as fezes, tentando escondê-las do dono.

Outra situação, segundo especialista em comportamento canino é a busca por quem pega primeiro o cocô. Limpar as fezes pode virar uma competição para o cãozinho, pois ele acha que deve pegar primeiro que o dono. Assim, comer o cocô pode se tornar um hábito.

Veja também: Por que os cães olham para o dono quando vão fazer cocô?

4. Outras causas para coprofagia

Segundo a veterinária Nora Munoz, um dos problemas que justifica a coprofagia é a qualidade da ração. Uma ração com pouco aproveitamento tende a deixar o cão com fome. Consequentemente, ele acaba buscando as fezes como uma fonte de alimentação.

Além de todos as situações já listadas, existem raças predispostas a apresentarem esse problema. Isto é, as raças de pequeno porte como shih-tzu, yorkshire e lhasa-apso.

Mas, existem outros fatores que podem desencadear a coprofagia em cães, são eles:

  • Estresse;
  • Por curiosidade;
  • Fome;
  • Para chamar a atenção do tutor.

Evitar e tratar a coprofagia

Ainda segundo a veterinária, existe um conjunto de métodos capazes de tratar a coprofagia. Além disso, manter esses procedimentos também ajudam a evitar que o cão coma as próprias fezes.

O primeiro passo, para a médica, é mudar a ração do cão para uma melhor. Super Premium é uma opção de alimentação balanceada, capaz de oferecer ao cão todos os nutrientes necessários.

Outro cuidado é com relação ao vermífugo utilizado. É necessário que esse produto seja recomendado por um veterinário, para que ele possa eliminar com eficácia esses parasitas. Principalmente no caso de filhotes.

Além desses fatores, Nora Munoz recomenda a compra de produtos que deixam o cocô amargo. Aplicando o spray encontrado em muitos petshops, o cão acaba perdendo o interesse pelas fezes.

Por fim, a veterinária recomenda o uso de vitaminas receitadas pelo especialista. “Não adianta entrar com uma coisa e outra. É esse conjunto de coisas corretas que vai fazer esse bichinho de estimação parar de comer cocô”, ressalta Nora.

Veja tambémSabia que é possível reaproveitar o cocô do seu cachorro?

Adestrando o cão

Quando há uma “competição” entre o cão e o tutor, para ver quem pega primeiro o cocô, é necessário o uso de técnicas de adestramento.

Isso significa dizer que é preciso utilizar de comandos e recompensas para os comportamentos positivos. Por exemplo, após o cão fazer cocô, o tutor não deve tentar retirá-lo imediatamente.

Esse tipo de ação do dono faz com que o cão pense que ele deve eliminar as fezes primeiro. Nesse sentido, o tutor pode usar o comando “não” assim que o animal se aproximar das fezes.

Além disso, o tutor pode usar dos sprays com gosto amargo no cocô. Depois que o animal rejeitar as fezes, o tutor deve recompensá-lo com algum petisco, carinho ou afago.

Após um certo período de tempo, o dono pode limpar as fezes do animal. E, principalmente, longe do alcance visual do cãozinho.

Como eliminar a coprofagia canina com remédio caseiro?

Alguns tutores utilizam do mamão para evitar que o cão coma as próprias fezes. Segundo a veterinária Nora, essa tática pode dar certo, mas não deve ser usada isoladamente.

“As pessoas ficam dando mamão. O mamão ajuda também, mas ele entra dentro do conjunto que eu falei. Não adianta dar só o mamão, ou só dar a ração, ou dar o vermífugo, ou só dar a vitamina”, explica a especialista em saúde animal.

Veja também: Xixi e cocô à noite: O que fazer?

Comer cocô faz mal para o cachorro

Mesmo com todos os cuidados já citados anteriormente, é importante que um cão com coprofagia seja levado a um médico veterinário. Isso porque, o consumo de cocô pode trazer prejuízos à saúde animal.

O cão comendo cocô tanto dele como de outros animais aumenta as chances de surgir verminoses. Além disso, o animal corre o risco de adquirir outros problemas sérios.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.