Cão intoxicado com monóxido de carbono? Saiba como ajudar

Agir rápido e de forma eficiente pode determinar a recuperação do pet

Toda vez que há a combustão de materiais, há também a liberação de monóxido de carbono. Assim, fumaça de queimadas, exaustão de veículos, aquecedores com problemas na ventilação e outros casos são exemplos clássicos da produção deste produto. Trata-se de um gás inodoro, insípido e incolor, portanto é inalado sem ser percebido.

De acordo com a autora do livro “Primeiros Socorros para Cães e Gatos”, Amy D. Shojai, esta substância é altamente perigosa pois ao entrar no organismo, compete com o oxigênio na corrente sanguínea. “À medida que o cérebro começa a exigir oxigênio, os animais passam a se comportar de forma embriagada ou confusa e letárgica. O sintoma clássico da intoxicação por monóxido de carbono são gengivas de um brilhante vermelho-cereja, mas os animais também podem ter respiração trabalhosa, surdez e convulsões”, explica a escritora.

Diante destas condições, é necessário que o tutor aja com rapidez à ponto de salvar a vida do cachorro. Para isso, o pronto atendimento e os cuidados médicos de forma imediata são as soluções chaves para estas situações.

Se acontecer a inalação do monóxido de carbono, saiba o que fazer

Essa substância tóxica não tem cheiro nem cor (Foto: depositphotos)

O que fazer em caso de intoxicação por monóxido de carbono?

1. Transferir o animal de lugar

O primeiro passo é, sem dúvidas, retirar o animal do local onde há a emissão de monóxido de carbono. Assim, procurar por um ambiente aberto e livre deste gás é o ideal. Além disso, quando o cachorro respira poucas quantidades de ar contaminado, ele pode se recuperar só com as respiração de um ar limpo.

Veja tambémComo agir em casos de asfixia em cachorros?

2. Realizar respiração artificial

Ainda segundo Amy, 25% do gás no sangue do animal é potencialmente mortal. Por esta razão, quanto mais rápido o pet for retirado do local, melhor será suas condições clínicas. No entanto, se quando o cachorro foi retirado, ele não apresentar a respiração, é indicado realizar uma respiração artificial. Para isso, o tutor precisa segurar firme o focinho do cão fechado e soprar nas narinas do animal. Repita este processo 15 a 20 vezes por minuto. É necessário repetir este procedimento até o peito do paciente expandir.

3. Procurar ajuda veterinária

Sem dúvidas, a melhor alternativa é buscar auxílio médico o mais rápido possível. Por isso, após ter realizado os primeiros socorros, o tutor deve encaminhar o animal para o veterinário.

Veja também: Principais doenças respiratórias em cães

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.