,

Anticoncepcional para cadelas

Existem diversas doenças relacionadas ao anticoncepcional para cadelas, como: câncer, hiperadrenocorticismo e diabetes

Anticoncepcional para cadelas é um tema que divide opiniões e por isso se torna um assunto polêmico. Apesar de veterinários não recomendarem o uso desse produto nas fêmeas, muitos tutores encontram nele a solução para evitar o cio de suas cadelas. Mas, até quando essa atitude pode ser saudável para os animais?

De acordo com o veterinário Cesmar Sotkeviciene Moura, em vídeo publicado no seu canal no YouTube Atemdo Pet, existem diversos riscos em usar anticoncepcional em cadelas. A longo prazo, o produto pode prejudicar e muito a saúde das fêmeas.

Efeitos colaterais do uso de anticoncepcional para cadelas

“O hormônio envolvido no anticoncepcional se chama medroxiprogesterona. E o uso dele, por ser um hormônio e por desequilibrar a cadeia hormonal da fêmea, pode predispor a fêmea a desenvolver câncer de útero, câncer de ovário, câncer de mama. Além de hiperadrenocorticismo e uma reação insulínica, podendo levar a fêmea a desenvolver a diabetes“, explica Cesmar.

O anticoncepcional em cadelas pode desencadear uma série de patologias graves

A castração é a forma mais recomendada para prevenir doenças (Foto: depositphotos)

Por estas razões, o uso do anticoncepcional para cadelas é contraindicado pelos veterinários. Segundo os especialistas em saúde animal, a substância medroxiprogesterona ao entrar no organismo das cadelas tem o potencial de alterar os níveis de hormônio. “Ele é uma bomba de hormônios que pode causar um câncer muito grave no seu bichinho de estimação”, alerta a veterinária Nora Munoz.

Doenças mais comuns causadas pelo anticoncepcional

Levando em consideração as informações dos veterinários, as doenças mais comuns causadas pelo anticoncepcional são:

Câncer

Existem diversos tipos de câncer, nas cadelas os principais são de útero, ovário e mama. Estas doenças prejudicam a qualidade de vida das fêmeas, deixando-as com dores, inchaços, desconfortos e até mesmo com falta de apetite. Para evitar estes problemas, os veterinários lembram que a castração pode ser a solução.

O médico Marcelo Zulato, em seu canal no YouTube, afirma que essa cirurgia pode evitar completamente os tipos de câncer que envolvem esses órgãos reprodutores. “Isso já é comprovado cientificamente. Se você fizer a castração antes do primeiro cio, zera a chance desse animal ter tumor de mama na idade adulta”, completa o veterinário.

Hiperadrenocorticismo

Apesar de pouco conhecido o hiperadrenocorticismo é uma doença que está relacionada com o uso de anticoncepcionais em cadelas. De acordo com informações do Hospital dos Animais, este problema de saúde surge de duas maneiras distintas: a mais comum, quando surge um tumor na glândula pituitária, estimulando as glândulas adrenais para a produção de cortisol; e a mais rara, que é observada quando o tumor surge diretamente nas glândulas adrenais.

Ao se deparar com tal problema, o organismo do cachorro passa a apresentar sintomas incomuns a exemplo do aumento no consumo de água, na frequência urinária e no apetite. Além disso, o paciente pode desenvolver uma alteração na distribuição da gordura corporal ou um ganho de peso considerável. Problemas de pele secundários, perda ou fraqueza de pelos, também podem ser considerados sinais deste problema.

Diabetes

Sede excessiva, perda de peso, aumento da sensação de fome, fraqueza e mau hálito. Estes são alguns dos sintomas mais comuns quando o assunto é diabetes mellitus em cães. Esta doença pode surgir em qualquer animal, independentemente da raça, idade e sexo. Contudo, as fêmeas acabam tendo uma predisposição a este problema de saúde devido a utilização de anticoncepcional.

Assim como no caso da diabetes nos humanos, a versão em cães não tem cura, mas sim tratamento. Em muitos dos casos, o tutor deve passar a vida inteira aplicando insulina no animal, a fim de equilibrar as taxas de glicose no sangue do paciente. Além disso, a alimentação, os exercícios físicos e as visita ao veterinário devem ser controlas e contínuas.

Como evitar o cio de forma segura?

Diante de tantos desafios que a cadela e o tutor podem enfrentar após o uso prolongado dos anticoncepcionais, a melhor saída é evitá-los completamente. “Se você não quer ver a sua fêmea passar por todos esses problemas e ter também o dessabor de correr o risco de perdê-la por conta das consequências do uso do anticoncepcional, procure o médico veterinário da sua confiança e se programe para poder fazer a castração”, recomenda o veterinário Cesmar.

Atualmente o processo de castração é simples e muito seguro. Segundo o especialista, trata-se de uma cirurgia tranquila, pequena e muito rápida. Por todas estas características, a recuperação é muito satisfatória e a cadela não corre o risco de desenvolver algum tipo de câncer e esses outros problemas, uma vez que não será necessária a aplicação de anticoncepcional para cadelas.

Além disso, vale destacar os mitos que as pessoas criaram com relação a castração. Muitos tutores acreditam que esse processo cirúrgico só deve ser feito após o primeiro cio das fêmeas ou depois da primeira cria. Ambas as teorias estão erradas.

De acordo com os veterinários, a castração, logo nos primeiros meses de vida da cadela, evita a descarga de hormônios natural nesse período e consequentemente evita o surgimento de doenças relacionadas aos níveis hormonais, como e principalmente o câncer.