,

Conheça a história de recuperação da cadela Glorinha

"Era um bebê assustado, triste, muita sarna", lembra a protetora animal do Recife, Goretti Queiroz

Com menos de seis meses de idade, Glorinha, uma cadela Sem Raça Definida (SRD), já tinha conhecido o lado ruim da humanidade. Abandonada nas ruas do Recife, capital pernambucana, a filhote encontrava-se com ferimentos nas orelhas, desnutrida e com poucos pelos pelo corpo. Ao se deparar com tal situação nas ruas da zona sul da Mesorregião Metropolitana do Recife, a protetora animal Goretti Queriroz se propôs em fazer o resgate.

No dia 1 de novembro de 2016, a protetora compartilhou no seu Instagram a primeira foto da filhote com a seguinte legenda: “resgatada das ruas, hoje, sangrando, Glorinha agora dorme tranquila. Não podia resgatar nem uma mosca. Mas como resistir?”. A partir desta data, a cadelinha passou por um tratamento intenso para se recuperar dos ferimentos, ganhar peso e readquirir os pelos. Além disso, ao passo em que mostrava-se melhor, foi castrada.

Com um mês de tratamento, Glorinha foi adotada pela recifense Léa Álvares. “Ela ganhou uma mãezinha, uma família e um sobrenome. Glorinha Álvares, resgatada em extremo maus tratos , foi castrada e hoje seguiu o seu novo lar. Está é a nossa recompensa e felicidade”, compartilhou emocionada a protetora animal.

Apesar da adoção, a cadelinha continuou recebendo cuidados especiais para se recuperar totalmente. Após oito meses do resgate, Glorinha mostra como o amor pode transformar a vida dos animais em situação de abandono. “Era um bebê assustado, triste, muita sarna. E agora está esta lindeza da tia. Muito bem adotada e feliz “, comemora Goretti Queiroz.