Dicas para seu cão não ser odiado pelos vizinhos

Quer dicas para seu cão não ser odiado pelos vizinhos? Então você veio ao lugar certo. Levando em consideração que este é um problema muito comum entre as pessoas que possuem cães e a vizinhança, o Clube para Cachorros preparou um artigo para colocar um fim em suas dúvidas e nesse tipo de problema.

Em primeiro lugar, é necessário entender que o comportamento do cão é um reflexo de suas atitudes como tutor. Além disso, muitas das queixas das vizinhanças envolvem os cães, mas são consequências das condutas do dono.

Portanto, quem deseja ter uma boa convivência com os vizinhos precisa entender as motivações para o ódio da vizinhança com o cachorro. E assim, manter a integridade do animal.

Como evitar que o cachorro seja odiado pelos vizinhos?

Para seu cão não ser odiado pelos vizinhos vale apostar em algumas técnicas

Latidos excessivos incomodam a vizinhança (Foto: depositphotos)

Os vizinhos podem odiar o seu cachorro devido aos latidos excessivos por parte do animal. Além disso, a vizinhança pode reclamar do mal cheiro das fezes e da urina do cão.

Outra possível reclamação pode ser a bagunça que alguns cães fazem nas ruas durante um passeio. Por exemplo, revirar um lixo, fazer as necessidades nas portas dos outros etc.

Diante dessas queixas, é possível perceber que o tutor pode contornar a situação. Para isso, é necessário colocar em práticas algumas técnicas. Sendo que para cada problema há resoluções específicas.

Fazer a higienização do ambiente do cachorro

Cães de raças maiores costumam viver em quintais ou varandas. Geralmente, esses espaços são abertos e próximos aos mesmos ambientes da casa do vizinho.

Por viverem nesses espaços, os cães podem acabar fazendo xixi e cocô por lá mesmo. Se não apanhadas a tempo, as necessidades do cão podem começar a exalar odores fortes.

Com isso, vizinhos iniciam discussões ou pelo menos causa um desconforto para ambos os lados. Para evitar de vez isso, é importante retirar as fezes do animal assim que der. Além de recolher, lavar com produtos específicos é uma boa escolha.

Veja também: Descubra como manter a higiene do comedouro e bebedouro do cão

Evitar que o cão saia sem coleira

Os passeios do cão devem ser na coleira e com alguém responsável. Isso porque, o cão pode revirar lixos da vizinhança, deixando os conteúdos das bolsas expostos.

Além disso, os cães também podem defecar ou urinar nas portas dos vizinhos. Tudo isso causa indignação, uma vez que o cachorro e o que ele provoca é de responsabilidade do tutor.

Essa atitude também é a mais responsável com a vida do cão. Pois com coleira, o tutor acaba evitando acidentes envolvendo veículos.

Contudo, o dono também pode oferecer um passeio diferente ao cão. Para isso, basta levá-lo para parques apropriados, onde ele possa caminhar um pouco sem a guia e mesmo assim com segurança.

Como educar o cachorro para não latir?

Existem muitas razões que provocam o latido excessivo do cão. Por exemplo, um cachorro pode passar o dia latindo devido ao tédio, por estar no cio ou até mesmo porque não gosta de ficar sozinho. 

Porém, na maioria dos casos o cão late excessivamente devido à ansiedade de separação. Trata-se de um problema comportamental sério e que precisa de dedicação do tutor para combatê-lo.

Veja também: Cachorro latindo muito, o que fazer?

Formas de eliminar a ansiedade de separação dos cães

Em artigo publicado no Jornal SP Norte, a ansiedade de separação pode surgir devido a alguns fatores.

Um deles é com relação a mudança de rotina ou de moradia. Além disso, pode surgir porque o cão passa muito tempo sozinho. 

“Alguns sinais como apatia, casos em que o cãozinho não bebe água e não come, como se sua vida desse uma pausa até seu tutor voltar, necessidades fora do lugar e várias outras situações, demonstram a aflição que o pet passa naquele período solitário”, conta Joilva, que é franqueada com a Cão Cidadão.

Diante dessas situações, o cão pode expressar sua tristeza e solidão com latidos e até mesmo destruindo objetos. Portanto, é preciso agir para minimizar esses problemas.

Por recomendação da adestradora, é indicado que o tutor coloque em práticas algumas dicas, como:

  • Apostar em atividades físicas: Passeios são extremamente importantes para o cão. Não apenas por questões físicas, mas mentais também. Ele se exercita, conhece novos lugares, interage e no final vai estar cansado o suficiente para dormir e descansar;
  • Incentivar as brincadeiras: Mesmo que não seja possível passear com o cachorro, é importante oferecer um tempo de exercícios. Para isso que servem as brincadeiras. Bolas, discos e até jogos interativos vão ajudar a eliminar a ansiedade de separação;
  • Saídas legais, voltas normais: Se o tutor é dramático na hora de se despedir do cãozinho, provavelmente o cãozinho também vai ser. Desta forma, é aconselhável que o dono saia de casa e se despeça de maneira natural. Inclusive, pode até deixar a ausência divertida escondendo petiscos em um grande caça ao tesouro. Da mesma forma as chegadas em casa, que não devem ser conduzidas com demasiada alegria. Deixe as “festas de afeto” para os momentos de brincadeiras;
  • Treine as saídas: “Faça pequenas separações dentro de casa mesmo, ou seja, dê um ossinho para seu bichinho e, enquanto ele estiver roendo, saia e volte várias vezes para que ele vá acostumando com a sua ausência”, ensina a franqueada da Cão Cidadão.

Veja também: Escritora orienta em livro como estimular bons hábitos no seu cão

Apartamentos: Como evitar prolemas com vizinhos em condomínios?

Para seu cão não ser odiado pelos vizinhos do condomínio siga a risca as regras estabelecidas

Condomínios têm regras rígidas quanto a presença de cães em apartamentos (Foto: depositphotos)

Já quando a vizinhança divide um condomínio, é preciso estar atento as regras do local. Existem prédios que não aceitam cães, outros que vetam os de grande porte. 

Além disso, há condomínios que só aceitam cães de pequeno porte mediante algumas práticas de boa convivência do tutor. Por exemplo, animais só podem andar pelo prédio se estiverem com coleiras ou no colo.

Outro caso também referente aos cães de pequeno porte é o uso de elevadores de serviço. Isso para não causar desconforto com os demais moradores que usam frequentemente os sociais.

Sobre barulhos, odores e necessidades fisiológicas, as regras são bastante rígidas. E, quem deseja morar em condomínios, precisam segui-las corretamente.

Melhores raças para apartamento

Veja também: Descubra quais raças de cães não se adaptam bem em apartamentos

Cuidando do seu pet

Infelizmente, algumas pessoas são de má índole e não conseguem resolver os seus problemas com uma conversa. E quem acaba pagando o preço são os animais. Existem vários casos de cães que são envenenados pelos vizinhos.

Por isso, se você não quer o seu cão seja odiado pelos vizinhos, é importante colocar em prática as dicas mencionadas anteriormente. Para assim, garantir a harmonia da vizinhança e a vida do cão.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.