Falar com animais é um dos sinais de inteligência social, aponta estudo

Falar com cães 'é um subproduto natural da tendência que torna os humanos excepcionalmente inteligentes neste planeta'

Ao contrário do que as pessoas possam pensar, falar com animais é um dos sinais de inteligência social. Se você não acredita ou tem um amigo que duvide disso, saiba que existe até estudo para comprovar essa afirmação.

Chamado de antropomorfismo, esse fenômeno é caracterizado por atribuir mentes humanas a objetos não humanos, animais, plantas e material. Por exemplo, na infância é comum que os seres humanos falem com ursinhos de pelúcia e isso é considerado normal e até mesmo adorável.

Contudo, a sociedade determina que esse tipo de comportamento só deve ser aceito enquanto se é criança. Ao passo que os humanos vão se tornando adultos, o antropomorfismo é tido como imaturidade e até mesmo loucura.  

No entanto, de acordo com o professor de ciências comportamentais na Universidade de Chicago e especialista em antropomorfismo, esse comportamento indica inteligência dos humanos. Além disso, pode fazer muito bem para as pessoas que a colocam em prática.

Falar com animas é normal?

“Historicamente, o antropomorfismo tem sido tratado como um sinal de infantilidade ou estupidez, mas na verdade é um subproduto natural da tendência que torna os humanos excepcionalmente inteligentes neste planeta“, diz Nicholas Epley ao Quartz. E complementa: “Nenhuma outra espécie tem essa tendência.”

Segundo pesquisador, falar com cães faz bem para as pessoas que colocam em prática

O ato de falar com cães é tido como imaturidade e até mesmo loucura (Foto: depositphotos)

Dessa forma, além de ser normal falar com animais, esse comportamento é tido como um reflexo da inteligência humana. Isso porque, segundo Nicholas, as pessoas antropomorfizam por três razões básicas.

Primeiramente, os humanos estão programados para ver rostos em todos os lugares. Como por exemplo, ao olhar para uma nuvem e ver alguma explicação lógica como um rosto sorrindo etc.

Em segundo lugar, é comum que as pessoas atribuam mentes pensativas as coisas. É assim como os animais, com os quais os seres humanos se comunicam perguntando se estão bem, com fome ou frio.

Por fim, segundo Nicholas Epley, a sociedade humana tende a associar imprevisibilidade com humanidade. Em outras palavras, é possível afirmar que os humanos antropomorfizam o tempo todo, mesmo que as vezes se sintam constrangidos pela “regras” da sociedade.

Veja tambémPesquisa revela que grande parte dos tutores dorme junto com seus cachorros

E isso não se resume aos animais, mas também as plantas. Além disso, as pessoas também podem atribuir nomes e características humanas a objetos inanimados como automóveis, câmeras, casas etc.

Benefícios de conversar com o cachorro

Conversar e acariciar animais traz benefícios para ambos os lados. Tanto o ser humano pode se beneficiar com essas situações como também os animais de estimação. Entre os principais pontos positivos dessas interações está a sensação de bem-estar.

Por isso que muitos cachorros são utilizados como cães de terapia, tendo em vista que o contato do pet com o ser humano doente pode trazer um conforto físico e emocional.

“O ato de brincar com o cachorro pode elevar os níveis de dopamina e serotonina de uma pessoa. Esses neurotransmissores são conhecidos como hormônios da felicidade, que pode descontrair e acalmar uma pessoa. Alisar e ‘massagear’ o cachorro estimula relaxamento“, conta o psicólogo Henrique Aguiar.

Assim, falar com animais é um dos sinais de inteligência social e também uma forma de melhorar a qualidade de vida dos seres humanos. Ao falar com o cão, além de ser normal, você também pode ser uma pessoa mais feliz.

Veja também: Tenha o hábito de fazer exercícios na companhia do seu cão

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.