Entenda por que os cães se estressam e saiba como tratar isso

Ausência do tutor, falta de lazer e de exercício e barulhos são algumas das causas

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 90% das pessoas do mundo sofrem com as diversas formas que o estresse se apresenta. Este número expressivo é um reflexo da correria do dia a dia. Muito trabalho, problemas financeiros, problemas pessoais e outras dificuldades que se acumulam e deixam os indivíduos estressados. Toda esta agitação também interfere na vida dos cachorros, provocando a irritabilidade deles.

Provavelmente, o tutor já presenciou os sinais de estresse no cachorro, mas deve ter relevado acreditando que fossem características comuns de má conduta ou de atitudes movidas pela ansiedade.

Na verdade, poucos são os tutores que sabem reconhecer os sintomas do estresse no peludo, as causas desta condição e quais as possíveis consequências desta situação na vida do peludo. Entender todos estes pontos é uma maneira de evitar o estresse do pet e proporcionar uma vida mais digna e feliz para ele.

Causas do estresse nos cães

O estresse canino também pode estar relacionado a mudanças na rotina

Os cães acabam apresentando os mesmos problemas que seus responsáveis (Foto: depositphotos)

Os animais sentem a rotina dos tutores, por isso acabam apresentando os mesmos problemas que seus responsáveis. O estresse, por exemplo, atinge os peludos com facilidade, pois eles são mais sensíveis. Porém, as causas que levam os cães ao estresse, apesar de terem ligação com o tutor em boa parte, não são iguais as justificativas dos seres humanos.

Assim, pode-se dizer que os cães se estressam devido a ausência do tutor, por não passearem ou interagirem com as pessoas da casa, falta de lazer, falta de exercício ou, o contrário, muito exercício.

O estresse canino também pode estar relacionado a mudanças na rotina ou na chegada de um novo membro em casa, seja um bebê ou um outro animal de estimação. Barulhos, ruídos e fogos de artifício também são causas da irritabilidade do pet.

Veja também: Saiba o que fazer para que o estresse não volte a atormentar o seu cão

Sintomas e consequências do estresse canino

Depois de sofrer com algum trauma, como os que já foram citados anteriormente, o cachorro começa a apresentar diversos comportamentos estranhos. E os sintomas que surgem devem ser percebidos pelo tutor quando ocorrem para que medidas de tratamento possam ser colocadas em prática e o animal tenha melhores condições de vida. Os sinais são:

  • Olhos arregalados;
  • Veias saltadas;
  • Isolamento;
  • Técnicas para chamar a atenção do tutor;
  • Corpo muito largado;
  • Perda de apetite;
  • Musculatura tensa.

Veja também: Sem estresse: veja como levar o seu cão ao veterinário sem drama

Como evitar que o pet fica estressado?

As formas de tratamento são as mesmas medidas preventivas. Antes de colocar em prática, é preciso entender o porquê que o animal está estressado.

Por exemplo, se as causas são a ausência do tutor ou a falta de interatividade com os membros da casa, a dica é que toda a família reserve um tempo para brincar, passear ou simplesmente conversar com o melhor amigo de patas. De 20 a 30 minutos por dia é suficiente para melhorar o humor e o comportamento do pet.

Já se a causa do estresse é oriunda de algum mudança na rotina, o responsável precisa ter paciência com o pet para que ele possa se acostumar com o novo estilo de vida ou com o novo morador. No entanto, o tutor pode facilitar este processo dando a atenção que o animal necessita. Com relação aos medos, é importante trabalhar os barulhos com o peludo, fazendo com que ele não encare os ruídos como algo ameaçador, mas como parte integrante da vida.

Veja também: Animais de estimação ajudam a lidar com depressão, ansiedade e estresse