Verão: dicas de como aproveitar esta época do ano com o pet

O especialista em comportamento animal, Renato Zanetti, listou 18 dicas para cuidar da saúde e do bem-estar do animal nos dias de verão


Sem dúvida nenhuma: o verão é a época mais alegre do ano! Isto porque, nesta estação aumenta a quantidade de pessoas que saem de suas casas e aproveitam espaços públicos com suas respectivas famílias. E é claro que o cãozinho também faz parte desta unidade familiar, tendo a diversão garantida.

Contudo, como trata-se de uma época com sol intenso é necessário que o tutor coloque em prática alguns cuidados essenciais para que esta fase seja aproveitada da melhor maneira possível, sem preocupações, dores de cabeça e com a saúde sempre em dia.

Levando em consideração a necessidade de cuidar da saúde e do bem-estar do animal nos dias de verão, o zootecnista e especialista em comportamento animal, Renato Zanetti, listou 18 dicas para que os dias quentes sejam divertidos para o cão e toda a sua família.

Verão: dicas de como aproveitar esta época do ano com o pet

Foto: depositphotos

Dicas para ter um ótimo verão ao lado do cachorro

Cuidado com o sol

1. Os horários entre 10h e 16h são os períodos mais quentes no verão, por isso é contraindicado fazer passeios neste espaço de tempo. Assim, o tutor evita que o cãozinho queime as patas (coxim) no asfalto quente e também protege a pele dos peludos, que pode ser prejudicada pelos raios de sol;

2. Outro cuidado importante com as altas temperaturas é com relação aos cães braquicefálicos, isto é, os peludos que possuem um focinho curto. Isto porque, a passagem de ar, por não ser longa, funciona com precariedade principalmente nesta época do ano, fazendo com que o animal apresente problemas respiratórios graves. Assim, sempre dê preferência a passeios em horários frescos;

3. Água fresca em abundância no verão é um importante cuidado com a saúde do pet, seja dentro de casa ou nos passeios;

Piscinas ou mar

4. No verão as pessoas aproveitam para curtir uma praia ou piscina, mas estes ambientes também requerem cuidados com relação ao cão. Um deles, por exemplo, diz respeito ao primeiro contato que o pet tem com os elementos da praia. A princípio, ele pode ficar bastante assustado com toda a agitação. Desta forma, é ideal usar uma coleira logo nos primeiros momentos, evitando fugas ou outros problemas que podem ser desencadeados por estresse por parte do peludo;

5. Alguns cães adoram água, outros não. Reconhecer essa característica no animal vai ajudar o tutor a lhe dar com relação a intimidade que o pet vai ter com o mar. Por isso, respeite os limites de cada peludo, deixando-o decidir se vai entrar na água ou não, ou se vai querer nadar por longas distâncias ou não;

6. Já no caso da piscina, é indicado que o tutor se certifique que o pet consiga sair da água para evitar problemas caso entre sem supervisão humana;

7. Sempre após um dia de mergulho, o cãozinho deve passar por um banho com água doce. Assim, é possível remover o acúmulo de sal do mar ou cloro da piscina que podem ser irritante à pele do peludo;

8. Depois do banho é indicado que o animal seja secado, evitando o surgimento de fungos e outras dermatites;

Pelo e pele

9. Depois que o cão tiver contato contato com areia, é ideal passar a escova no peludo. Desta forma, é possível evitar o acúmulo de areia;

10. Após as atividades ao ar livre, onde o cão entra em contato com o vento, água do mar, piscina, areia, grama, etc, é indicado que ele passe por banhos e escovações regulares. Assim, minimiza-se os efeitos do acúmulo de sujeira;

11. Cães de pelos longos precisam de cuidados maiores, tendo em vista que os pelos podem embaraçar com mais facilidade, criando nós e até machucado a pele do pet;

12. Use protetor solar no cãozinho, principalmente nas regiões mais claras e sem pigmentação. Isto porque, câncer de pele é um risco real nos cães;

Atenção para as doenças

13. Áreas abertas podem receber cães e/ou outros animais, assim podem ser potenciais focos de carrapatos e pulgas. Assim, previna o seu animal contra estes parasitas e evite doenças causadas por eles;

14. Ingestão de água do mar ou da piscina podem causar indigestão no pet, provocando episódios de diarreia e vômitos. Fique atento a estes sintomas e caso eles ocorram, procure um especialista o mais rápido possível;

Carro x Cães

15. Em hipótese alguma deixe o animal sozinho dentro de um carro fechado. A não ventilação dentro do automóvel pode ser fatal para os cães;

16. Caso a viagem seja longa, procure fazer várias paradas ao longo do caminho. Desta forma, o seu cachorro poderá caminhar um pouco, fazer suas necessidades e ainda se hidratar;

Consultas veterinárias

17. Antes de viajar com o peludo, leve-o para uma consulta com um médico veterinário de confiança;

18. Para vajar para fora do Brasil ou até mesmo para algumas cidades do país, é necessário levar o pet com as vacinas em dia. Por esta razão, ao procurar o veterinário, busque atualizar a carteirinha de vacinação do peludo, viajando com segurança.


Informar erro