Veja as 6 comidas mais perigosas para cães

Existem certos alimentos que fazem mal ao organismo do cachorro, a exemplo do leite, cebola,uvas e chocolate


Os cães já perceberam que o “olhar de pidão” encenado por eles rende bons resultados, ou melhor, petiscos.

Isto ocorre porque os tutores, normalmente, não resistem a carinha do pet e acabam dando algum alimento que está fazendo parte de sua refeição no momento.

Esta atitude deveria ser evitada, pois contribui para uma má alimentação do animal e ainda cria um péssimo vício no cachorro.

Porém, o fator mais preocupante é a saúde do cãozinho, que precisa ser levada em consideração em primeira instância. Por exemplo, não há nenhum problema em oferecer ao peludinho pães, carnes, algumas frutas e legumes, de forma moderada.

Veja as 6 comidas mais perigosas para cães

Foto: depositphotos

Contudo, existem certos alimentos que fazem mal ao organismo do cachorro, a exemplo do leite, cebola, uvas e chocolate. Todos estes itens podem prejudicar o funcionamento do organismo canino e podem levar o animal a apresentar quadros clínicos delicados. Por isso, confira mais detalhes de porque esses e outros produtos não devem ser ofertados ao peludinho.

Quais alimentos são perigosos para os cães e porquê?

1. Leite

Os cães, geralmente, param de mamar com 40 dias após o nascimento. Isto ocorre porque com esta idade os dentes dos filhotes já estão crescidos e eles já podem se alimentar com produtos sólidos. Portanto, a partir deste momento a enzima capaz de digerir a lactose, isto é, a lactase intestinal, começa a desaparecer.

Por isso que quando o leite é ingerido por um cão adulto, ele pode ter diarreias, pois o organismo não consegue digerir este alimento. Além disso, o leite da vaca nem pode substituir o da cadela devido aos níveis de nutrientes, como explica o veterinário Wagner Luis Ferreira, em entrevista à Revista Veja.

“O leite da vaca tem mais lactose que o da mãe canina, o que pode aumentar o risco de diarreia”.

2. Uva

Esta fruta é uma das exceções na vida do cachorro, pois muitas outras fazem bem ao organismo dele. No caso da uva, os veterinários e especialistas ainda não descobriram o porquê deste alimento fazer mal ao organismo canino. Contudo, a dica é nunca oferecê-la ao pet, evitando assim insuficiência renal aguda no peludinho.

3. Chocolate

Muitos tutores já sabem o mal que o chocolate faz aos pets, mas ainda tem quem desconheça. Por esta razão é sempre importante ressaltar que este produto contém uma substância conhecida como teobromina, responsável por aumentar os batimentos cardíacos no pet e ainda interferir no sistema nervoso do animal.

Assim, a veterinária e professora, Ane Amaral, alerta também em entrevista à Veja os problemas de saúde desencadeados pela ingestão deste alimentos pelos cães. “Em cachorros, o alimento pode causar uma parada cardíaca ou uma convulsão”, afirma.

4. Cebola

Esta verdura deve ser vetada da alimentação do animal, tanto pura quanto adicionada como tempero em alimentos cozidos. Isto porque, a cebola possui alicina, uma substância que interfere de forma negativa na corrente sanguínea dos animais, provocando anemia.

De forma semelhante age o alho, uma vez que ele possui dissulfeto de alipropila, elemento que em excesso pode destruir a hemoglobina.

5. Ossos

Nutricionalmente falando, os ossos são dispensáveis na dieta do animal, uma vez que os nutrientes proporcionados por eles podem ser encontrados em outros alimentos mais apropriados como a ração.

Isto tudo sem contar nos riscos que eles proporcionam ao organismo do cachorro, principalmente os que são ocos como os de galinha. O risco, na verdade, está presente pois os cães ao triturarem os ossos com a boca vão engolir farpas que podem provocar um engasgamento ou até mesmo perfurar algum órgão.

6. Produtos com cafeína

Assim como o chocolate, os produtos que possuem cafeína também podem interferir no sistema nervoso dos animais e aumentar os batimentos cardíacos. Desta maneira, café, refrigerantes, chás etc., não devem compor as refeições dos cães. Caso contrário, o peludinho pode apresentar paradas cardíacas e até mesmo convulsões.


Reportar erro