Escritora orienta em livro como estimular bons hábitos no seu cão

“Os bons hábitos que forem incorporados enquanto seu cãozinho ainda for novo durarão a vida toda!”, afirma a autora de livros de adestramento


Gwen Bailey é autora de diversos livros e um deles é “O meu filhote Perfeito”. Nesta obra, a escritora ensina aos tutores a educar os cachorros ainda na fase filhote, mas utilizando-se de métodos behavioristas.

Assim, o responsável trabalha com uma educação baseada em recompensas, com brincadeiras, técnicas positivas, elogios etc.

O livro ajuda os tutores a fazerem de cães filhotes, adultos educados. Isto porque, os problemas de comportamento que os cachorros na fase adulta apresentam são reflexos de um adestramento ruim, onde o animal não sabe lidar com frustrações, pula nas pessoas, late de forma excessiva e ainda é um excelente “pidão”. Por esta razão, é importante criar cronogramas de ensino para os filhotes.

Escritora orienta em livro como estimular bons hábitos no seu cão

Foto: depositphotos

Como educar o filhote?

“Os bons hábitos que forem incorporados enquanto seu cãozinho ainda for novo durarão a vida toda! Estabeleça-os manipulando as situações para que ele ache mais recompensador fazer a coisa certa do que fazer algo que você não queira”, explica Gwen. Entre as instruções da autora, em seu livro, ela explica métodos de educar o filhote em determinadas situações, bastante comuns na vida do tutor, como:

1. A frustração do filhote

Sabe quando as crianças querem um doce no supermercado, mas os pais não vão comprar e por isso os pequenos dão um espetáculo de mau criação na frente de todos? Então, cães também podem fazer isso quando querem algo, mas não podem conseguir.

Para acabar com este hábito, basta que o dono segure-o com a coleira e jogue um brinquedo que ele goste para longe. De forma imediata, o animal vai tentar pegá-lo e não vai ter sucesso.

Por isso, ele pode se debater, latir, tentar roer algo por perto e fazer outras ações consideradas impróprias. No entanto, o tutor deve se manter firme e não pode soltar a coleira. Quando o pet se acalmar, o que pode levar alguns minutos, o tutor deve soltar a guia e deixar que ele peque o brinquedo, esta será a recompensa por ele ter ficado comportado.

2. Pular nas pessoas

Os cães fazem isso para poder ter um contato mais próximo com o tutor ou com as vistas que ele gosta. Porém, nem todo mundo gosta dos pulos que os cachorros dão e podem até machucar alguém que não esteja preparado para receber este gesto. Assim, é preciso educar o animal, usando a técnica de ignorá-lo enquanto ele mantiver o comportamento.

A dica é dar as costas ao animal que estiver pulando e só virar-se para cumprimentá-lo quando ele parar os pulos. Quando o cachorro se acalmar, o tutor deve se abaixar e conversar com o pet olho a olho. Fazer carinhos e brincar com o melhor amigo.

3. Latir de forma excessiva

Latidos são utilizados por duas razões: ou para alertar de algum perigo ou para chamar a atenção dos tutores. Quando o cachorro é adestrado, ele só late quando realmente há algo ameaçador. Porém, existem muitos animais que por não receberem a educação adequada, latem excessivamente e incomodam não só o dono, mas também a vizinhança.

Para acabar com este problema, primeiro é preciso que o tutor nunca incentive o cachorro a latir. Outra técnica é nunca dar ao animal o que ele quer após latidos, isto só demonstra que o latido abre portas para os desejos dele. Saber frear o pet é uma forma de controlar os seus latidos.

4. Olhar de pidão

Este deve ser um dos problemas universais dos tutores, tendo em vista que muitos não resistem ao olhar de pidão do pet ou aos gestos que eles fazem para pedir um pouco da comida humana. Mas, para acabar com este péssimo hábito, é preciso que os responsáveis combinem com todos da casa para não alimentar o cachorrinho enquanto estiverem na mesa. Aos poucos o peludo vai perceber que não vai ganhar nada, mesmo que fique “pedindo”. Assim, quando o animal não mais espiar durante as refeições, recompense-o com um petisco apropriado à dieta dele.


Reportar erro