Sarna negra em cachorro

Esta é uma doença transmitida por fatores hereditários e por meio da amamentação dos filhotes


A sarna negra, também conhecida como sarna demodécica, é uma doença causada por um tipo de ácaro denominado Demodex Canis. Ao contrário da sarna comum, ela não é contagiosa em animais adultos, sendo transmitida por fatores hereditários e por meio da amamentação dos filhotes.

O ácaro causador da doença é um parasita comumente presente na pele dos animais de forma inofensiva, mas pode tornar-se um agente nocivo com a baixa da resistência do organismo.

A sarna negra e as suas classificações

Na maioria das vezes, a sarna negra manifesta-se nos cães mais novos e em determinadas raças, como Pastor Alemão, Dálmata, Dachshund, Dobermann, Yorkshire e Collie. Além do fator hereditário, o desencadeamento da doença também pode ocorrer devido a fatores externos, como o estresse, mudanças bruscas de hábitos, alimentação ou ambiente, presença de novos animais no ambiente em que o cachorro vive e o cio das cadelas.

O diagnóstico da sarna demodécica é realizado com a retirada de múltiplas escamas de pele e a procura dos ácaros. A doença é classificada em dois tipos distintos: localizada ou generalizada.

Sarna negra em cachorro

Foto: Reprodução

Sarna demodécica localizada

Atinge os cães menores de 1 ano de idade e a pele apresenta-se parecida a da micose. Ocorre a queda de pelos em uma ou mais regiões do corpo do animal, deixando um aspecto avermelhado e escamoso. Neste tipo de sarna demodécica, as áreas mais afetadas costumam ser a face, focinho e extremidades.

A sarna negra localizada costuma passar espontaneamente em seis a oito semanas, porém pode aumentar e diminuir pelo período de vários meses. O tratamento deste tipo de sarna negra é feito com loções e pomadas especiais.

Sarna demodécica generalizada

Mais grave que os casos do tipo localizado, a maioria dos casos desta doença atinge os cães ainda bem jovens e o tratamento é difícil. Ocorre a perda de pelos na cabeça, pernas e tronco, com a presença de inflamações e dermatites sérias.

A pele do animal apresenta um aspecto envelhecido e há muita coceira após o início da dermatite secundária, que é gerada pela lesão cutânea. A evolução deste tipo de sarna negra ainda pode provocar a falta de apetite, a surgimento de bolhas de pus na pele do animal e a produção de odores desagradáveis.

O tratamento da sarna dermodécica generalizada envolve a utilização de xampus e banhos para remover as escamas da superfície e matar os ácaros. A supervisão constante do veterinário é muito importante, e ele poderá prescrever medicamentos de uso constante ou aplicar injeções no cão.

Cuidados

Não há como evitar que a sarna negra apareça, mas existem formas de impedir que ela se propague ainda mais. Os donos de cachorros que têm a doença devem seguir algumas recomendações para ajudar a controlar o problema:

  • Evitar o acasalamento de cães que sofram com a sarna negra;
  • Castrar machos e fêmeas doentes para impedir o aumento da população de cães com o problema;
  • Os animais que apresentem a doença depois de adultos, principalmente depois dos 5 anos, devem ser examinados mais detalhadamente, para ver se existem outras possíveis doenças.


Reportar erro