Depressão em cães: causas, sintomas e tratamentos

Os cães podem apresentar um estado emocional mais vulnerável e sensível a perdas e traumas


Da mesma forma que o homem pode ter problemas psicológicos, como a depressão, os cães também podem. A depressão em cães vem sendo cada vez mais frequente e geralmente é resultado de uma mudança de rotina, como a perda de um companheiro, a mudança de casa ou uma nova adição a casa. É importante saber o que é a depressão canina para não confundi-la com outra doença. Veja agora o que é, quais as causas, sintomas e outras informações importantes sobre a depressão em cães.

A depressão canina

Da mesma forma que acontece com as pessoas, os cães podem apresentar um estado emocional mais vulnerável e sensível a perdas e traumas. Não há raças que possuem mais chances de desenvolver a depressão, pois ela pode ter muitas razões similares às do homem, e até os sintomas e alguns tratamentos se parecem muito.

Muitas vezes a depressão canina é confundida com a SAS (Síndrome da Ansiedade de Separação), em alguns casos a depressão pode fazer com que o cão passe a ter um comportamento ansioso e atípico, e é por isso que é muito importante que os donos saibam observar e identificar os sinais que mostram se o cachorro está em estado depressivo.

Quais são as causas?

As causas para a depressão canina são diversas e variam muito pois são de acordo com os sentimentos de cada cachorro, mas podemos citar algumas das causas principais e que são as mais comuns entre os cães:

  • Mudanças de rotina: um exemplo é quando o cão está habituado a passear sempre naquele mesmo horário diariamente e agora não passeia mais.
  • Mudanças de local: caso o cão tenha sido adotado recentemente e não tenha se adaptado à nova casa, isso por sentir falta de espaço ou de atenão.
  • Morte de pessoas queridas: caso o dono tenha falecido ou, ainda, algum outro animal que convivia com o pet.
  • Perda de liberdade: caso ele ficasse solto no quintal ou em um local grande e agora esteja preso em um local pequeno.
  • Período de doença: cães que estiveram com alguma doença grave têm mais chance de desenvolver este tipo de depressão, pois tiveram sua rotina e seus hábitos modificados de alguma forma, o que pode vir a causar um grande estresse.
Depressão em cães

Foto: Reprodução

Os sinais da depressão

Os sinais da depressão também variam de acordo com o seu pet, pois os costumes e comportamentos deles mudam de acordo com a convivência com seus donos. Mas entre os principais sinais de depressão, podemos citar:

  • A perda de apetite:será possível perceber que o seu cão está comendo como antes e, consequentemente, está perdendo peso.
  • O isolamento:o cão já não brinca com os demais animais ou com os humanos da mesma forma que antes e se isola em algum canto da casa.
  • A apatia:ele passa a não responder a qualquer estímulo novo para brincar ou sair do seu isolamento.
  • A tristeza profunda:dá para ver pelos seus olhos, que ficam fundos e tristes.
  • A intolerância ao toque:geralmente, quando estão depressivos não gostam de ser tocados, demonstrando mais uma evidência de isolamento social, quando não querem a presença de ninguém por perto.

Como tratar a depressão?

Antes de qualquer coisa, primeiro é preciso levar seu cachorro ao veterinário. Após a consulta e diagnóstico, o veterinário irá passar diferentes tipos de medicamentos e atividades que variam de acordo com o grau e a intensidade da doença.

Os remédios homeopáticos, antidepressivos e outros medicamentos alopáticos podem ser prescritos nesses casos, e a combinação desses medicamentos com atividades físicas trará ótimos resultados.

Há casos onde são indicadas as “sessões terapêuticas caninas”, geralmente são indicadas quando o dono do pet não consegue identificar o motivo da mudança de comportamento.

É importante lembrar que além dos medicamentos e acompanhamento do especialista, os cães precisam de mais carinho e atenção, o quadro depressivo pode ser amenizado com muito carinho dos donos e sua família.


Reportar erro