Boxer

Da família dos molossos, o boxer é um dos mais carinhosos e brincalhões cães que se poderia encontrar


Que atire a primeira pedra quem nunca se surpreendeu ao conhecer um boxer, que apesar da “cara de mau”, era um doce de cachorro! De postura elegante e harmoniosa, imagem de cão de guarda e temperamento de um eterno filhote, o boxer é um dos cães mais amigáveis e carinhosos que se pode ter. Conheça mais sobre essa raça que faz qualquer um se apaixonar!

História da raça

O boxer não é um cão antigo, uma vez que os primeiros relatos de aparição da raça ocorreram em torno da metade do século XIX. De origem Alemã, o boxer surgiu quando um grupo de cinófilos cruzou o antigo brabant bullenbeisser com o bulldog inglês. A intenção era utilizar o boxer como cão de guarda e de gado, isso porque ele seria menos agressivo que o bullenbeisser e com melhor porte físico para a atividade do que o bulldog. No entanto, com o passar das décadas, iniciou-se o hábito de criar cães para exposição, e o belo e elegante boxer não poderia ficar de fora. Assim, a raça foi exportada para Munich, Inglaterra, e posteriormente difundiu-se em todo o mundo, se tornando um dos mais populares cães por unir as qualidades dignas de um cão de companhia, de defesa e de guarda.

Padrão temperamental

Vez por outra se ouve alguém dizer que boxer são cães com temperamento digno de um “filhotão”, e isso é comprovado cientificamente. Estudos indicam que em atitudes e pensamentos, essa raça pode ser assemelhada à crianças de 3 anos de idade. No quesito “cães de companhia para crianças”, o boxer é praticamente uma unanimidade. Extremamente dócil, pois se trata de um cachorro muito parceiro das crianças nas traquinagens, mas inteligente o suficiente para evitar que seu jeito estabanado as machuque. É extremamente cuidadoso e protetor, não apenas com as crianças, mas com as pessoas que o cercam de forma geral.

Embora muitos o utilizem como cão de guarda e defesa, o boxer não é um cachorro agressivo, apenas reage defensivamente se a situação assim exigir. Bastante apegado e dedicado aos seus donos e crianças da residência, este cão é desconfiado com estranhos e muito atento a qualquer situação que fuja de sua normalidade. Esta característica, em junção com seu porte atlético e forte, costumam espantar pessoas mal intencionadas.

No ranking geral de inteligência canina, o boxer ocupa o 48º lugar, classificação considerada positiva para a raça. O cão aprende truques com facilidade e não só merece como deve ter sua inteligência estimulada diariamente com alguns minutos diários de treinamento simples. Brincadeiras em geral são incentivadas, principalmente as que proporcionem razoável gasto de energia,uma vez que são cães muito ativos. Raramente se encontra um boxer barulhento, que tenha o costume de latir ou uivar – a grande maioria dos cães dessa raça é silenciosa e só se manifestam audivelmente em casos extremos. Embora possam se adaptar à vida em apartamento, é preferível que os boxers vivam em um lugar com jardim e quintal, onde possam praticar exercícios, se movimentar e brincar livremente.

Padrão físico

Considerado um cão de grande porte, o boxer possui um corpo atlético e a sua altura comum varia entre 53 e 63 centímetros (contados do chão até a cernelha – a parte mais alta do ombro, antes do pescoço). Apesar da altura, não costumam ter tendência a engordar, são naturalmente esbeltos, cujo peso varia dos 25 aos 35 quilos. A pelagem é sempre curta, e comumente tigrada e caramelo. Alguns cães da raça boxer podem ser albinos, mas, nesses casos, por falha genética deve-se atentar para a possibilidade de surdez. A marca registrada dos cães da raça boxer é o focinho achatado, geralmente preto.

Cuidados especiais

Assim como em outras raças, recomenda-se que o adestramento e educações dos cães desta raça sejam feitos desde cedo, quando o animal ainda é filhote. Apesar de aparência robusta e forte, o boxer é um cão de saúde frágil e, consequentemente, possui uma expectativa de vida abaixo da média, variando de 8 a 10 anos de idade. Não possui alta resistência ao calor e tem dificuldade respiratória, por ser braquicefálico, mesmo motivo que o torna um paciente vulnerável para procedimentos que exijam anestesia.

Ainda, entre os caninos, o boxer é a maior vítima de câncer, o que requer atenção do proprietário e visitas constantes ao veterinário. Exames cardíacos também devem ser realizados com frequência, uma vez que muitos boxers podem desenvolver cardiomiopatias ao longo da vida.

A torção gástrica é uma outra preocupação para donos de cães da raça boxer. Para evitá-la, é fundamental que o animal se alimente com calma ou em poucas quantidades. No caso dos boxers, que costumam comer de maneira afobada, o ideal é alimentá-los aos poucos e deixá-los num local restrito após a alimentação, para que não façam atividades bruscas que estimulem a torção.

Os pelos do boxer são curtos e, por este motivo, não necessitam de muitos cuidados além de banhos e escovações regulares, tudo para manter a higiene e evitar problemas de pele como dermatites.

Necessitam de atividades diárias, e embora sejam adeptos de corridas, já podem estar satisfeitos com longas caminhadas que os manterão saudáveis e longe de problemas decorrentes da obesidade.  A intensidade do exercício varia de cão para cão: os boxers mais sedentários podem ficar satisfeitos com uma longa caminhada diária; já os animais com mais energia necessitam de brincadeiras mais poderosas, porém não no clima quente, pois os boxers têm uma maior tendência a ataques cardíacos.

*Colaborou: Débora Silva

 

Galeria de fotos


Reportar erro