Iniciativa visa mapear animais domésticos em região do DF

Projeto tem como objetivo elaborar novas políticas públicas de prevenção e controle de zoonoses em Candangolândia


Mais um passo na causa animal do Brasil está sendo dado no Distrito Federal, a iniciativa parte da administração regional da Candangolândia, em parceria com o Departamento de Medicina Veterinária da Universidade de Brasília (UnB) e com a Diretoria de Vigilância Ambiental, órgão vinculado à Secretaria de Saúde da capital do País. A ideia é fazer um levantamento de quantos animais existem nas casas dos brasilienses dessa região e assim levar conhecimentos sobre saúde e bem-estar dos pets.

Além disso, o projeto tem como objetivo elaborar novas políticas públicas ao que se refere à prevenção e controle de zoonoses, isto é, doenças passadas de cães para humanos. E ainda tem como finalidade evidenciar as adoções responsáveis, levando conscientização a cerca dos pets que vivem nas ruas da região. O cadastramento, que teve início no dia 18 abril foi finalizado 60 dias depois e, agora, passa por análise dos responsáveis.

O porquê da iniciativa?

Iniciativa visa mapear animais domésticos em região do DF

Foto: Depositphotos

Em entrevista ao jornal Correio Braziliense, a professora de medicina veterinária da UnB, Paula Galera, contou que a ideia teve início após a observação de muitos animais soltos na rua da Candangolândia. “Queremos saber se parte desses animais nas ruas têm um lar. A partir do diagnóstico, vamos propor campanhas educativas para expor a ideia de guarda responsável. As campanhas vão sensibilizar a população, principalmente para não expor os animais e manter a saúde deles por meio de vacinação, por exemplo”, afirmou.

Desta forma, 32 pesquisadores foram escalados para realizarem as pesquisas nas 5 mil residências da cidade brasiliense. Treinados, os agentes deveriam questionar sobre quantos animais existem em cada casa, como estão de saúde, se encontram-se castrados, como que frequência vão ao veterinário, o tempo de vida de cada bichinho etc. Além disso, a pesquisa também procurou reconhecer a realidade socioeconômica das famílias que tinham animais em casa.

Com os resultados, os pesquisadores pretendem melhorar as condições de vida dos pets da região. Segundo o médico veterinário da Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) Laurício Monteiro, também em entrevista concedida ao Correio, o censo “é importante para ajudar a definir as políticas públicas de animais naquela região. É uma ótima oportunidade também para sabermos as condições desses bichos. A intenção é estender essa pesquisa para demais regiões do Distrito Federal”.


Reportar erro