Em SP, centro espírita atende mensalmente mais de 2 mil animais

Além de tratamentos, o lugar ainda possui uma loja vegana e também realiza palestras


A Associação Espírita Amigos dos Animais (Asseama), localizada no Parque Vitória, zona norte de São Paulo, é o primeiro e único centro espírita especializado em oferecer a terapia de passes e disponibilizar tratamentos a animais de todas as espécies. Essa associação foi fundada em 2009, e trabalha de forma a proporcionar uma melhora na qualidade de vida, na saúde física e espiritual dos bichinhos.

A Asseama recebe, por semana, em média, 500 animais, divididos nas nove sessões, que ocorrem nas quintas, sextas e domingos – este último, dia de maior procura, chegam a se formar filas na calçada. Além dos tratamentos, o lugar ainda possui uma loja vegana e também realiza palestras que ressaltam a necessidade de se compreender a importância da vida como um todo, respeitando os animais e o entendimento de que os bichos também têm alma.

Em SP, centro espírita para animais realiza mais de 2.500 atendimentos mensais

Foto: Reprodução/ YouTube

A veterinária e presidente da Asseama, Sandra Calado, fala sobre como o tratamento, principalmente de cachorros e gatos, é feito através de orações e mentalizações. “A doutrina espírita não prega a cura por meio do passe. É um auxiliar para os tratamentos da Terra. Nenhum tratamento espiritual, seja em humanos ou animais, visa à cura ou substitui o tratamento físico”, esclarece.

Segundo Sandra, os resultados são notados diretamente no comportamento dos bichinhos. “Com esse tratamento, a gente vê melhora nos sintomas porque o animal se sente mais energizado. O tratamento ajuda a diminuir o efeito colateral dos remédios, ajuda o animal a sentir menos dor e promove o bem estar geral do animal”, conta.

A presidente da Associação, por fim, declara todo o amor e cuidado que eles dispõem para os bichos: “Queremos mudar a consciência das pessoas em relação a esses seres vivos, que têm alma e dependem de nós”.

Conheça mais sobre a Asseama no vídeo:


Reportar erro