Cuba determina que instituições públicas adotem os cães de rua

Pets ganham uma espécie de crachá do governo, o qual é preso na coleira, com o nome, foto e informações


Animais abandonados nas ruas sem ter o que comer ou um local em que possam se manter aquecidos em noites frias é uma das tristes realidades que os amantes de animais tem que aguentar diariamente.

Porém, visando mudar essa realidade, o país socialista centro-americano Cuba, encontrou uma maneira diferente de lidar com os cães de rua. O governo local determinou que todas as instituições públicas do país fossem obrigadas a adotar cães abandonados.

Os cães ganham uma espécie de crachá do governo o qual é preso na coleira, com o nome, foto e informações sobre ele e qual a instituição que o acolheu, assim como o telefone de contato da mesma, caso aconteça alguma emergência. Os pets recebem todo cuidado assistencial necessário.

Cuba determina que instituições públicas adotem os cães de rua

Foto: Reprodução/ YouTube

Só o Museu da Metalurgia, que fica em Havana, capital do país, já adotou cinco cãezinhos. São eles: Aparicio, Canela, Carinoso, Leon e Vladimir. Quando não estão dormindo ou apenas descansando na entrada do local, eles vão junto aos guardas patrulhar o quarteirão.

 

Segundo a presidente da Associação Cubana de Proteção de Plantas de Animais Nora Garcia, a ideia surgiu após um episódio em que um guarda foi acordado durante a noite por latidos de um cão que tentava o alertar sobre algumas pessoas estarem tentando roubar aparelhos de ar condicionado do local.

Em entrevista ao Daily Mail, Victoria Pacheco, uma das funcionárias do museu, falou da alimentação que os animais recebem. Eles não comem ossos ou “restos”. Eles comem cortes frios, carne picada, arroz e até mesmo cachorro quente.

Atualmente, há uma lista de 21 cães que foram adotados por instituições públicas, incluindo o posto de combustíveis do Partido Comunista, escritórios da União dos Jornalistas Cubanos e uma oficina mecânica que pertence ao Ministério Público de Saúde.

Com informações de Daily Mail e Mapaa


Reportar erro