Apresentador de TV é investigado por possíveis crueldades contra animais

Cesar Millan é adestrador e apresenta o programa Cesar 911 no Nat Geo Wild


Conhecido como o encantador de cães, o adestrador, escritor e apresentador de TV Cesar Millan passa por uma investigação a respeito de maus tratos com animais em seu programa Cesar 911, exibido pelo canal pago National Geographic Wild. O episódio se refere ao adestramento de um buldogue francês que teria sido colocado, sem guia, em um espaço junto a porcos, depois de já ter atacado outros dois animais dessa mesma espécie. O resultado foi catastrófico, haja vista que o cão não obedeceu os comandos de Cesar, perseguiu um dos suínos e acabou atacando a orelha do pobre animal.

Diante dessa falha, os ativistas da causa animal ficaram furiosos e uma investigação foi iniciada para entender o ocorrido e descobrir se houve ou não negligência por parte do adestrador. No dia 10 deste mês, a polícia de Los Angeles, na Califórnia, nos Estados Unidos, visitou o Centro de Psicologia de Cachorros em Santa Clarita, mas não foi possível encontrar Cesar, que de acordo com familiares, estaria em uma viagem de negócios, assim como não foi possível obter informações do animal acidentado.

O que disse o National Geographic

Segundo um comunicado emitido pela Nat Geo Wild, o vídeo que estava circulando na internet causou preocupação à audiência que não conseguiu compreender o contexto da atividade desenvolvida pelo adestrador. Em determinado trecho da nota, a emissora afirma que “Cesar criou um ambiente seguro e controlado para reabilitar alguns casos de cães agressivos, como o Simon [o cão desse episódio]”.

Adestrador, apresentador de TV e escritor Cesar Millan

Foto: Depositphotos

Com relação ao porco atacado, o National Geographic também se pronunciou afirmando que Cesar teria tomado as devidas precauções. “O porco que foi beliscado por Simon foi atendido imediatamente após o ataque, se recuperou rapidamente e não mostrou sinais duradouros de angústia”, afirmou em comunicado ao canal de TV NBC4.

O posicionamento de Cesar Millan

Por não ter sido localizado no dia 10, ao encantador de cães foi enviada uma notificação para que o mesmo entrasse em contato com os investigadores em até 24h. No dia 11, Cesar postou em seu perfil oficial na rede social Facebook, que estaria cooperando com as autoridades a respeito do caso e que “está confiante que o inquérito vai mostrar que não havia nada de errado”.

No dia 13, o adestrador postou em sua conta no YouTube um vídeo que mostra como Simon melhorou seu comportamento. Neste episódio é possível ver o buldogue dividindo o mesmo espaço com os porcos e, no decorrer, andando lado a lado com um dos suínos, sem demonstrar nenhum tipo de agressividade. O vídeo ainda mostra o pet ao lado de outros animais de forma tranquila.

Histórico de Cesar Millan

Esta não é a primeira vez que o encantador de cães passa por investigações a respeito de maus tratos contra animais. No ano passado foi processado por uma mulher que teria sido atacada por um pit bull treinado por Cesar. Já em 2006 passou por outro processo iniciado por um produtor de TV, o qual alegava que seu cão teria sido ferido após ser colocado em um enforcador durante o treinamento com o adestrador.


Reportar erro