Conheça o trabalho da Associação Amigos do Cão-Guia

Fundada por sete voluntário há 11 anos, a Associação Amigos do Cão-Guia já preparou 43 cães para acompanhar e melhorar a vida dos deficientes visuais


Para muitos, os cães integram à família para serem companheiros nas horas tristes e também nos momentos alegres. No caso dos deficientes visuais, os peludos acabam sendo muito mais que isso, são parte integrante de seus corpos, mais precisamente, seus próprios olhos.

Levando em consideração esta necessidade dos portadores de deficiência visual, a Associação Amigos do Cão-Guia (AACG) do Distrito Federal trabalha desde 2001 para oportunizar uma vida com mais qualidade para os cegos.

Em toda a trajetória, já foram mais de 40 cães entregues no Brasil todo e consequentemente, mais de 40 vidas transformadas. Isto porque, como o próprio slogan da associação diz, enquanto “Você vê só um cão, o cego vê o mundo”. Conheça mais sobre este projeto e saiba como é possível ajudá-lo.

Conheça o trabalho da Associação Amigos do Cão-Guia

Foto: depositphotos

Sobre a Associação

Fundada por sete voluntário há 11 anos, a Associação Amigos do Cão-Guia já preparou 43 cães para acompanhar e melhorar a vida dos deficientes visuais. De acordo com a descrição no site oficial da AACG, a instituição “tem como propósito apoiar, patrocinar, melhorar, facilitar e fomentar o uso de cães-guias e cães de assistência no Brasil”.

Atualmente a associação é regida por quatro sócios-voluntários e uma sócia benemérita. Na presidência está Ricardo Correa, que destaca o papel da organização na promoção da inclusão social dos deficientes visuais, um dos objetivos mais sólidos da instituição.

O treinamento dos cães

O Corpo Militar de Bombeiros do Distrito Federal é responsável pelo treinamento feito com os animais e este é o único auxílio dado pelo governo, segundo a instituição. Todas as demais pessoas que movimentam a organização são voluntários e elas trabalham para arrecadar dinheiro, manter o ambiente dos cães limpos e ainda cuidar dos pets.

Contudo, o treinamento não se inicia de imediato, é necessário que o cão atinja dois anos de idade para serem ensinados pelos bombeiros. Portanto, ao nascerem, os peludos vão para um lar temporário e ao chegarem na fase propícia para o treinamento são iniciadas as sessões. “Promovemos a socialização do bicho, ajudando-o a ter contato com o mundo e com o maior número possível de cheiros, sons e ambientes”, explica Ricardo em entrevista ao Correio Braziliense.

Quando estão prontos, os cães são entregues aos deficientes visuais. Segundo a entidade, já são aproximadamente 300 pessoas na lista de espera. Mesmo com este número alto, quem quiser se cadastrar por de enviar um e-mail para caoguiadf.cadastro@gmail.com.

Como ajudar?

As pessoas que desejam ajudar este projeto, podem fazer doações pelo banco, diretamente nesta conta:

Associação Amigos do Cão-Guia – AACG /
Banco do Brasil
Agência: 3596-3
Conta Corrente: 111.882-x,
CNPJ: 18.080.342/0001-24

Ou acessar o site e encontrar outras formas de contribuição: http://projetocaoguia.com.br/


Reportar erro