Orientações para saber antes de viajar com o cão para outro país

Siga três passos e você terá uma viagem tranquila com a presença de seu melhor amigo de quatro patas


Antes de fazer as suas malas e as do seu cachorro e embarcar em uma viagem para fora do país, é necessário tomar algumas medidas preventivas. Assim, você pode evitar que surpresas ruins ocorram. Portanto, saber para onde se vai viajar e todos os requisitos desse país, com qual transporte e o que é necessário para ir com o seu pet, são pontos essenciais para ter uma aventura divertida ao lado do seu melhor amigo canino.

Primeiro passo: informações sobre o destino

Já decidiu para onde vai ser a vigem dos seus sonhos na companhia do seu cachorro? Se você já tem em mente o destino, basta saber quais são as exigências deste local. Geralmente, os países têm suas próprias normas e pedidos para aceitar cães estrangeiros em seus territórios, por isso, atenção redobrada neste quesito.

Por exemplo, os países que fazem parte da União Europeia e muitos outros do continente europeu, exigem que o cachorro tenha um passaporte com seguintes informações: história sanitária do animal, dados de identificação do cão, informações sobre o tutor e a constatação de vacina antirrábica. Além disso, outros costumam fazer mais algumas exigências, como comprovantes de vacinação contra leptospirose e destempero canino, tratamento contra equinococose, tratamento contra carrapatos e até mesmo uma avaliação de um veterinário confirmando o bom estado de saúde do pet.

Mesmo com essas informações, se faz necessário que o tutor entre em contato com a embaixada do país em questão e tire todas as dúvidas sobre quais comprovantes são necessários e que tipo de documentação deve ser levada no dia da viagem. Vale ressaltar também, que algumas nações preferem que o dono faça um contato bem previamente. O Japão, por exemplo, indica que a busca pela documentação deve ser iniciada com três ou quatro meses de antecipação.

Orientações para saber antes de viajar com o cão para outro país

Foto: Reprodução/ internet

Segundo passo: decidir o transporte utilizado

Dependendo de onde seja o destino, o transporte utilizado pode variar entre carro, ônibus, navio ou aviões. E existem regras específicas em cada meio desse, tanto com relação ao modo de transportar, quanto a documentação exigida. Por isso, mais uma vez se torna tão necessária a busca por informações com cada agência de viagem. Assim, você evita transtornos e surpresas desagradáveis.

A melhor forma de viagem é a de carro próprio, com o animal devidamente assegurado com a caixa de transporte ou com peitoral de segurança. Além disso, sem permitir a cabeça do pet para fora da janela e sempre no banco de trás. Todavia, nem todo destino permite esse tipo de transporte, assim o tutor fica dependendo dos critérios de cada agência.

Algumas linhas viárias só permitem a viagem do cachorro na cabine, quando este é pequeno. Animais de grande porte só podem viajar no compartimento de cargas. Da mesma forma ocorre com algumas companhias de ônibus e embarcações. É importante lembrar, que ao levar o animal para sua viagem isso se desdobrará em um custo adicional que vai depender do tamanho do pet e do meio de transporte escolhido.

Terceiro passo: preparação da mala

Com toda a papelada pronta e organizada, é hora de preparar as malas para viagem. Fique atento quanto as condições climáticas do destino e veja se é necessário apostar em algumas roupinhas para o cão. Além disso, coleira não deve ser esquecida, bem como um pingente de identificação para o seu melhor amigo canino com informações para contato. E vale frisar também a importância de levar consigo uma maleta de primeiros socorros para possíveis acidentes com seu peludo.


Reportar erro