Estado de choque em cachorros: o que fazer?

Tontura e fraqueza, gengivas muito pálidas, batimentos cardíacos acelerados, são alguns dos sinais que demonstram que o animal está em estado de choque


O cachorro pode ficar em estado de choque por diversos motivos, entre eles a insuficiência cardíaca, trauma grave, infecção sanguínea e a principal causa: a perda de sangue, conhecida como choque hipovolêmico. Em todas as situações descritas, o corpo do animal libera bastante adrenalina, hormônio que contrai os vasos sanguíneos, reduzindo o fluxo do sangue no organismo do pet. Esse tipo de condição põe em risco a vida do paciente, uma vez que o corpo deixa de receber o oxigênio necessário.

Primeiros socorros e a intervenção veterinária são extremamente importantes para garantir a vida e a integridade do cachorro. Por isso, aprenda como agir com precisão em casos de estado de choque em cães.

Quais os sintomas?

Primeiramente, é preciso saber reconhecer essa situação. Para isso, fique atento a alguns sinais que podem apresentar:

  • Tontura e fraqueza;
  • Gengivas muito pálidas;
  • Batimentos cardíacos acelerados, porém fracos;
  • Se houver sangue, pode haver uma hemorragia externa;
  • Em casos de acidentes, animais podem ter fraturado algum osso e não conseguir de locomover;
  • Pupilas dilatadas;
  • Temperatura do corpo baixa;
  • Respiração acelerada.
Estado de choque em cachorros: o que fazer?

Foto: Reprodução/ internet

Ações imediatas

Constatados os sintomas de um estado de choque, o responsável deve agir com cautela, tranquilidade e rapidez. Esses três pontos serão cruciais para manter o seu peludo vivo. Um animal que recebe os primeiros socorros corretamente e logo em seguida é levado para um pronto atendimento veterinário, se recupera em poucas horas. Caso contrário, o cão pode morrer em questão de minutos. Aprenda o que deve ser feito.

Em caso de sangramento, estanque

Depois que perceber o estado de choque no animal, através da cor da gengiva ou dos batimentos cardíacos, observe se o pet está ferido. Em casos de ferimentos com um grande fluxo de sangue, a primeira medida a ser feita é tentar estancá-los. Para isso, pegue um pano limpo e pressione o machucado na tentativa de diminuir o sangramento. Caso o pano esteja ensopado, não retire-o, coloque outro por cima e continue a pressionar à caminho da clínica veterinária mais próxima.

Estabilize o corpo em casos de acidentes

O choque entre um cachorro e um carro pode ocasionar no cão fraturas internas, que podem piorar caso não seja tratado com cuidado. O ideal é colocá-lo em uma superfície rígida e plana, para proteger a coluna do pet. E para ser removido com segurança, deve ser pego por mais de uma pessoa, assegurando que o corpo esteja em uma posição só. Contudo, esses cuidados não devem atrapalhar a agilidade na ação e não podem atrasar sua ida ao veterinário.

Coloque o animal na posição correta

Se o cão não sofreu um acidente, e está em estado de choque por outros motivos, você pode colocá-lo em uma região plana e adicionar algum objeto elevando a parte traseira do corpo do pet. Essa técnica auxilia o sangue a procurar o caminho do coração e do cérebro mais do que das outras regiões não vitais do corpo. Sendo importante para manter o animal consciente.

Cubra o pet

No estado de choque, o corpo dos animais perde a temperatura ideal. A falta de circulação correta leva a uma hipotermia, quando há uma queda na temperatura do corpo, agravando ainda mais o choque. Para evitar isso, cubra o animal com um cobertor ou um casaco, ajudando a mantê-lo aquecido. E se possível, utilize um termômetro para ajudar a verificar se essa técnica está ajudando ou precisa ser intensificada.

Esfregue mel nas gengivas do cachorro

A taxa de açúcar no sangue dos cães pode ficar baixa e isso é mais um motivo de agravamento do estado clínico do cachorro. Para elevar essa taxa, esfregue mel nas gengivas do animal, ele será absorvido quase que imediatamente.

Situações especiais

Respiração artificial e compressões no peito

Se no momento o cão está sem respirar ou sem os batimentos cardíacos, a situação é bastante grave e o pronto atendimento pode ser a única saída. No caso da respiração artificial, basta fechar a boca do animal e assoprar duas vezes seguidas dentro do nariz do paciente. Espere o ar retornar e observe se houve a expansão do peito do peludo. Assopre de 15 a 20 vezes por minuto, até que o animal comece a respirar sozinho ou até você chegar no pet.

Caso o cão esteja com o coração parado é hora de fazer a ressuscitação cardiopulmonar. Para isso, faça cinco compressões no peito seguidas. A meta é realizar de 80 a 100 compressões.

Importante

Todas essas ações serão insuficientes se você não procurar o atendimento veterinário. Realize os primeiros socorros em casa e a caminho da clínica veterinária mais próxima. Assim, você ajuda a salvar a vida do seu melhor amigo de quatro patas.


Reportar erro