Cachorro sofreu danos na cabeça? Saiba como agir

Nenhuma situação envolvendo pancada na cabeça deve ser ignorada pelo tutor, pois em alguns casos as consequências podem surgir depois de dias


Pancadas na cabeça sempre devem ser tratadas com urgência e atenção, pois mesmo que o animal pareça bem logo após o acidente, algumas sequelas podem ocorrer de forma secundária. O auxílio de um médico veterinário deve ser feito de forma imediata, para assegurar a vida do animal. Porém, algumas medidas precisam ser tomadas como forma de controlar as sequelas e amenizar o sofrimento do pet ferido.

Para isso, você precisa saber como agir nesses casos e identificar quais são os primeiros socorros essenciais que facilitariam o tratamento prosseguido pelo veterinário.

Pancadas na cabeça, como reconhecer?

Nem sempre acidentes envolvendo danos da cabeça são visíveis. Algumas podem ser tão leves, que os animais parecem não apresentar nenhuma sequela. Entretanto, nenhuma situação desse nível deve ser ignorada pelo tutor, pois em alguns casos as consequências podem surgir depois de dias. Porém, existem sinais que podem indicar um trauma na cabeça dos animais, como sangramento pelo nariz ou ouvidos, olhar perdido do cachorro, tontura e até desmaios podem ser uma forma de reconhecer o acidente.

Cachorro sofreu danos na cabeça? Saiba como agir

Foto: Reprodução/ internet

Os tipos de traumas

As pancadas na cabeça dos animais podem ser de dois tipos, primárias ou secundárias. Sendo que essa última está totalmente relacionada aos traumas sofridos no primeiro tipo. As primárias, por sua vez, são caracterizadas de acordo com suas gravidades:

  • Concussão: De todos os tipos essa é mais leve e quando ocorre deixa o animal tonto;
  • Contusão: Uma pancada mais forte, que pode causar uma hemorragia no cérebro do paciente;
  • Laceração: Tanto pode ocorrer uma fratura do cérebro, quanto uma hemorragia externa no animal devido o acidente;
  • Lesão axonal difusa: A mais complexa de todas. O cachorro que apresenta esse quadro está correndo um grande risco de perder a vida, tendo em vista que há uma complicação generalizada no cérebro.

Consequências secundárias podem surgir minutos, horas ou até dias depois do acidente. Se não tratadas, pode levar o animal à morte.

Primeiros socorros

Não há muito o que fazer em casa quando o assunto é pancada na cabeça. As únicas medidas que o tutor deverá tomar são o socorro imediato, observar a respiração do animal e encontrar a maneira mais correta para levá-lo ao veterinário mais próximo. Desta forma, quando o dono perceber o acidente, imediatamente, corra em direção ao animal e observe sua respiração e se há sangramento em alguma parte do seu corpo.

Se o animal não estiver respirando por ele mesmo, esteja preparado para realizar uma respiração artificial. Ela consiste em dois sopros no nariz, enquanto você mantém a boca do pet fechada. Se ele não reagir a esse estímulo, continue soprando de 15 a 20 vezes por minuto. Caso haja um ferimento com muito fluxo de sangue, pressione uma gaze ou uma toalha limpa na área afetada até que o sangramento estanque. Se caso passe do pano, não retire-o, apenas coloque um novo por cima e continue as pressões.

Para levar o animal até o carro e seguir em direção ao veterinário, você deve pegar o animal com muito cuidado. Às vezes, um movimento errado pode trazer prejuízos para o quadro clínico do cão. A dica é usar uma maca, que pode ser substituída por qualquer objeto reto. Além disso, use um cobertor para manter a temperatura do animal normal e evitar possíveis choques.


Reportar erro