Cachorro mordendo tudo: o que fazer?

Dentes nascendo, exercício das mandíbulas, diversão, exploração do ambiente e a maneira para acabar com o tédio. Essas são as explicações para a mastigação frequente


Existem quatro motivos naturais para o cão querer morder tudo que vê pela frente, são eles: dentes nascendo, exercício das mandíbulas, por diversão ou como forma de explorar o ambiente. Essas são as explicações que expressam a natureza do cão, características que todo pet está sujeito a apresentar ao longo da vida, principalmente na fase de filhote. Entretanto, cães que se sentem entediados também podem manifestar esse comportamento destrutivo, a diferença é que essa conduta é criada no animal e não parte de uma necessidade como nos outros casos.

Mastigação como ‘válvula de escape’

Entre os três e seis meses de vida do cão ocorre a dentição. Nessa fase, os dentes de leite começam a cair e dão lugar aos permanentes. Essa troca natural que existe nos cães, provoca um incômodo nas gengivas dos peludos e então surge o instinto deles de morder algo que interrompa esse transtorno. Aí não tem sofá, cadeira, tapete ou qualquer objeto que se salve dos cachorros.

Logo quando a fase da dentição passa, surge um novo desejo de mastigar. Esse estágio começa quando o cão tem cerca de sete a 10 meses e, geralmente, dura em torno de seis meses. Costuma aparecer mais em cães de raça que foram criados para usar a boca para carregar coisas, à exemplo dos labradores. Por essa razão, os cães costumam morder os objetos para exercitar as mandíbulas.

Cachorro mordendo tudo: o que fazer?

Foto: Pixabay

A última fase de mastigação instintiva coincide com a época em que, na natureza, os cães sairiam de perto do ninho e iriam explorar o ambiente. Assim, os cachorros têm dois motivos para roer, sair da zona de conforto e conhecer a casa onde vivem e claro, se divertir com os objetos interessantes que encontrar no decorrer do caminho.

Já quando o cão mastiga objetos proibidos, e não está em nenhuma dessas fases já descritas, ele pode está entendido e, por isso, cria esse comportamento. Talvez o dono não brinque com ele como deveria ou não leve para passear, entre outros motivos que deixam o cão sem ter o que fazer e, normalmente, quando isso ocorre os móveis são os que acabam “pagando o preço”.

Mostrando o certo e o errado para o cão

É claro que o cão não consegue aprender sozinho o que é certo ou não, por isso, o dono deve começar desde cedo um treinamento com o pet, afinal, é na fase de filhote que o cão aprende com mais facilidade. Seja criativo e faça com que o peludo tenha, pelo menos, dois ou três itens para cada dia na semana, isso faz despertar o interesse dele por objetos que não são novos, mas que não são tão acessíveis.

Se você não está em casa para supervisionar as brincadeiras e os comportamentos do seu melhor amigo de quatro patas, a dica é comprar um cercadinho e deixar o peludo restrito aquele lugar. Nesse espaço você despejar brinquedos divertidos e que o seu cão gosta, além de alguns petiscos dentro deles para exercitar e estimular o cão.

Entretanto, é importante o tutor lembrar que cada cão tem o seu tempo para assimilar e aprender os comandos. Por essa razão, se faz necessário que o dono tenha paciência e saiba ensiná-lo da maneira correta. Nada de gritos ou punições, pois, dessa forma, você só irá fazer com que o peludo não confie em você.

Dicas para atrair a atenção do pet

  • Opte por brinquedos como ossos de pano, náilon, borracha resistente. Além de serem atrativos, o cão pode brincar de diversas formas com eles e você ainda pode participar da brincadeira;
  • Brinquedos como o odin são ótimos para exercitar a inteligência do seu cão, pois há a possibilidade de inserir petiscos nele. Assim você consegue manter o filhote ocupado por horas, ele pratica a mastigação e ainda de quebra ganha petiscos;
  • Esconder brinquedos e objetos interessantes em uma caixa velha de papelão também é uma ótima dica para quem deseja deixar o cão entretido quando ele está sozinho em casa. A curiosidade e o desejo de explorar vai fazer com que o pet se interesse pela caixa e tente descobrir o que tem dentro dela;
  • Brinquedos não oficiais como garrafas plásticas, cestas velhas, pedaços de troncos de árvores também são ótimas pedidas de diversão para o cão, por isso, invista nesses objetos uma vez ou outra. Entretanto, é importante que o dono remova os que forem destruídos ou que possam causar algum ferimento;
  • Ensine o cão a gostar e dar valor aos brinquedos dele. Por exemplo, dê um brinquedo no início do dia, mas ao final tire o brinquedo e demore um tempo para oferecê-lo de novo. Faça isso com os demais, vá revezando e assim você cria um sentimento do pet pelos brinquedos e o desejo dele não irá acabar tão facilmente.


Reportar erro