Técnicas para evitar as brigas do seu cão

O primeiro passo é entender a linguagem corporal do animal, pois assim você pode agir antes que os cães comecem a brigar frontalmente


Os cães têm uma linguagem própria que os humanos não conseguem entender se não procurarem reconhecê-las. É através do corpo que os animais expressão seus sentimentos, desejos e emoções, assim, ficar atento a  tais características pode ajudar a entender como funciona a comunicação entre esses animais. Consequentemente é uma maneira de evitar atritos entre cachorros, pois, mesmo que estes sejam calmos ou adestrados, uma falha na “conversa” entre dois ou mais pets pode resultar em uma terrível briga. E, infelizmente, alguém pode acabar bastante ferido.

Como evitar brigas entre cães?

O primeiro passo, como já mencionado, é entender a linguagem corporal do animal, pois assim você pode agir antes que os cães comecem a brigar frontalmente. Por exemplo, o rabo do cão quando está com medo costuma ficar abaixado e entre as pernas, enquanto que quando o peludo quer agredir, a cauda costuma ficar ereta e sem movimentos. Assim, quando o tutor perceber estes aspectos no seu cão é hora de tirá-lo da zona de conflito onde ele se encontra, evitando assim o pior.

Além do posicionamento do rabo, outras partes do cachorro pode indicar sentimentos de afrontamento, como pelos eriçados, principalmente o do pescoço ou de próximo da cauda; focinho enrugado de modo que os dentes apareçam, pupilas dilatas, orelhas posicionadas e não relaxadas e a presença de rosnados ou latidos.

Imagem de homem tentando apartar briga entre cães

Foto: Depositphotos

Perceber estas características e retirar o animal de perto do outro é uma maneira de evitar que a briga comece. Todavia, existem outras técnicas que podem evitar tais enfrentamentos, tais como:

  • Supervisionar brincadeiras: Mesmo que essas comecem de forma inofensiva, os cães podem acabar brigando uns com os outros. Por isso, é preciso atenção nestes momentos e assim perceber quando não é mais brincadeira;
  • Reconhecer os tamanhos dos animais: Saiba respeitar o estatura dos animais, isso porque cães maiores podem facilmente machucar os pequenos, mesmo que intencionalmente durante alguma brincadeira;
  • Saber apresentar os cães: A melhor forma de apresentar um cachorro a outro é escolher um lugar neutro. Isso vale para cães que serão amigos do seu pet ou para outro peludo que fará parte da família. Em um passeio com coleira e guia, apresente-os. Permita que eles se cheirem e logo em seguida continue a caminhada, um ao lado do outro para que se conheçam melhor;
  • Conhecer bem seu animal: Alguns animais são bem ciumentos, outros nem tanto. Reconhecer esta característica nos peludos é essencial para tomar algumas medidas antes de receber outro peludo em casa. Assim, guarde brinquedos, potes de ração e de água que pertencem ao seu animal durante a visita do outro cãozinho, ninguém nunca sabe quando o pet vai cismar com o “coleguinha”.


Reportar erro