Cachorro triste: o que fazer?

Sinal de comportamento triste do cão pode ser tanto ‘manha’ do pet como também sintoma de depressão


Quando você decide ter um pet em casa, assume o dever de entender o comportamento dele, assim como os sinais que emite para indicar que está com dor, fome e, inclusive, tristeza. Como eles não falam com palavras, como nós, é essencial que essa linguagem corporal seja compreendida. Por exemplo, a maioria das pessoas que tem cachorro sabe que quando o cão está com as orelhas para trás e a cauda abanando, ele está feliz. Mas, e como saber o contrário?

Como identificar quando o cão está triste?

Se você notar que seu cão está abatido, sem interesses nas coisas que ele normalmente gostava, como brincadeiras e passeios, por exemplo, ficando tempo demais deitado ou isolado, fique atento, pois isso indica que seu cão está triste.

Isso deve ser analisado cuidadosamente, uma vez que ele pode estar fazendo “manha” – caso seja mimado – mas também pode indicar algo mais sério, como depressão, fortes dores ou qualquer fator que possa estar afetando sua rotina. O primeiro passo, ao notar qualquer um desses sinais e comportamentos, é levar o pet ao veterinário.

Cachorro triste: o que fazer?

Foto: Pixabay

Cachorro tem depressão?

Tem sim. Você já deve ter cansado de ouvir que os cães estão cada dia mais parecidos com seus donos, ou com as pessoas de uma forma geral. Assim como nas pessoas, a depressão nos cães não é fingimento – como muita gente diz por aí, em ambos os casos –, mas sim uma doença que pode se agravar muito e trazer consequências sérias quando não tratada.

O cão pode entrar em depressão com a perda de uma pessoa querida a qual ele estava habituado a viver, quando muda de local de moradia – principalmente quando muda de um espaço grande para um pequeno –, ou ainda com alterações na rotina. Por exemplo, se diariamente ele sai para passear às 18h e isso de repente muda, é normal que ele fique frustrado e possa ficar deprimido.

Outro motivo bastante comum para a depressão em cães é a falta de liberdade, quando ele normalmente fica solto, mas por algum motivo passa a ficar preso ou trancado pela maior parte do dia. Saiba que isso pode causar também o estresse.

Síndrome de ansiedade da separação

Os cães têm um amor imenso por seus donos, e a lealdade que pode fazer com que passem horas esperando pela sua chegada. Mas quando há modificações na rotina de chegada do dono, o cão sente muito, e isso pode gerar a síndrome de ansiedade da separação.

Mas não é muito simples identificar esse problema, pois ele fica triste, como se tivesse depressão. No entanto, existem outras demonstrações dessa ansiedade: eles ficam destrutivos, principalmente com objetos da casa que o dono, aparentemente, ama mais.

É importante buscar ajuda de um médico veterinário, mas procure não deixar o seu cão sozinho por muito tempo, ou que ele tenha áreas bastante amplas para entretenimento, gastando energias com brinquedos e diminuindo a ansiedade.

Mas de uma forma geral, cachorro sozinho é sinônimo de um cachorro triste. Para diminuir isso, quando sair de casa, não diga nada. Só feche a porta para que ele veja que isso é natural, e se achar necessário, pode deixar ainda uma roupa com seu cheiro para que ele fique mais tranquilo.


Reportar erro